Uma médica grávida de seis meses morreu vítima da covid-19 no domingo (18), em Francisco Beltrão, sudoeste do Paraná. Ela e o bebê foram o terceiro e quarto membros da família a falecerem pela doença em um período de 33 dias.

Carmela Louro Caneppa, 36 anos, que trabalhava na cidade de Santo Antônio do Sudoeste e estava internada em Beltrão, já havia perdido o pai e a mãe vítimas de complicações da doença. As equipes de saúde e a população de Santo Antônio ficaram comovidas com a morte da profissional e seu bebê. Segundo a prefeitura da cidade, a Carmela Caneppa era querida por lá.

VIU ESSA? Sem drive thru, fila quilométrica deixa idosos expostos a vento e cansaço em Curitiba

De acordo com as informações do jornal Bom Dia Paraná, da RPC, a administração municipal de Santo Antônio do Sudoeste explicou que, em um mês, a médica perdeu o pai, que também era médico, e a mãe, professora, que morreu 11 dias depois do pai. Os pais moraram no município de Planalto, também no Paraná.

LEIA MAIS – Pesquisa aponta que vacinação de idosos de 2ª dose contra covid-19 reduziu óbitos em Curitiba

A Carmela Caneppa estava lotada em uma Unidade Básica de Saúde desde que engravidou, há seis meses. No ano passado, a prefeitura de Santo Antônio informou que ela atuava na linha de frente do combate ao coronavírus.

Comoção na cidade

A profissional, segundo a Secretaria Municipal de Saúde, era competente e espontânea, por isso também era querida por todos. “Estamos vivendo um momento de luto, mas também de gratidão por tudo que ela fez pela saúde da nossa população”, disse a secretária de Saúde Grasiela Giacobbo Nodari, ao Bom Dia Paraná.

LEIA AINDA – Incêndio de grandes proporções destrói fábrica de plástico em Fazenda Rio Grande

Ainda de acordo com o município, houve várias manifestações de afeto pela cidade, após a morte da médica ser informada. “Ela tinha ido cuidar dos pais, em Planalto. Depois voltou, foi internada com covid, mas estava aparentemente bem. Seguindo acompanhada pelas equipes médicas. Infelizmente, a doença só evoluiu para a piora”, lamentou a secretária.

De acordo com as informações da família, a opção foi por um velório reservado e de curta duração, em Planalto. A Carmela Caneppa foi enterrada logo em seguida. A médica deixa o marido e um filho de 2 anos.