Inquérito do Núcleo de Repressão de Crimes Contra a Saúde (Nucrisa) apontou o cirurgião Carlos Roberto Naufel Jr. como responsável pela morte de José Rodrigues Cabral em janeiro de 2008. O médico foi indiciado por homicídio culposo, conforme a conclusão da delegada Paula Brisola.

Na avaliação da delegada, o atendimento dispensado pelo médico agravou o estado de saúde de Cabral. “Em consequência da falta de adoção das medidas descritas, o paciente com 80 anos permaneceu por período superior a 24 horas sem ser submetido à cirurgia necessária, piorando o seu quadro”, diz o documento. O inquérito foi encaminhado ao Ministério Público, que tem 10 dias para decidir se aceita ou não a denúncia e então repassar ao Judiciário.

O paciente foi atendido por Naufel em 27 de outubro de 2007, quando deu entrada no pronto-socorro do Hospital Evangélico com dores e sangue nas fezes. De acordo com o inquérito, Cabral foi dispensado pelo médico após indicação de remédios, mas no dia seguinte retornou ao hospital e foi encaminhado à cirurgia de emergência. No dia 7 de janeiro de 2008 o paciente deu entrada na Santa Casa com quadro de vômitos e três dias depois foi submetido a nova cirurgia, mas faleceu no dia 21.

Esperança

Mesmo com o indiciamento do cirurgião, o filho do paciente, José Rodrigues Cabral Jr., ainda tem esperança que os outros médicos envolvidos no atendimento sejam indiciados. O enfermeiro denunciou cinco profissionais que considera responsáveis pela morte de seu pai. “Considerando todas as respostas negativas que recebi, de forma geral fiquei satisfeito”, desabafa. Segundo ele, demorou muito para o pai ter o atendimento necessário na época. O filho da vítima aguarda ainda o desdobramento da denúncia que fez ao Ministério Público Estadual sobre a morte.

Não se lembra mais do caso

A delegada Paula Brisola rebate a afirmação do enfermeiro e ressalta que a investigação apontou a responsabilidade de apenas um médico. “Para indiciar uma pessoa temos que analisar vários elementos. O que encontramos neste caso foram elementos para o indiciamento deste médico”, explicou. O médico Carlos Roberto Naufel Jr, no entanto, se mostrou surpreso com o indiciamento e disse não se lembrar do caso. O Hospital Evangélico informou que não vai se pronunciar sobre o assunto.