Em assembléia realizada na noite desta quarta-feira (19), os médicos-residentes de Curitiba decidiram aderir à paralisação nacional da categoria. A greve começa a partir de amanhã e deve atingir os hospitais que tem o maior número de profissionais na capital: Hospital Evangélico, de Clínicas e Cajuru. Os três hospitais foram comunicados da decisão na manhã de hoje.

Segundo a Associação Nacional dos Médicos Residentes no Paraná, devem ser definidos ainda hoje os atendimentos que serão afetados e quantos residentes vão aderir ao movimento. Em todo o país, aproximadamente 18 mil dos 22 mil médicos-residentes participam da paralisação, que atinge atendimentos não-emergenciais.

A principal reivindicação da categoria é o reajuste de 38,7% na bolsa-auxílio. Com isso, o valor passaria de R$ 1.916 para R$ 2,7 mil. Os médicos-residentes ainda pedem o pagamento de 13º salário e a ampliação do tempo de licença-maternidade de quatro para seis meses. O governo federal chegou a oferecer um reajuste de 20% e a formação de um grupo de trabalho para discutir as reivindicações na noite desta segunda-feira (16).