O medo de contaminação pela covid-19 e as medidas restritivas impostas em viagens fizeram disparar a procura por trailers e motorhomes — veículos com comodidades semelhantes às de uma casa, como cama e cozinha. No Paraná, um dos estados que concentram a maior parte dos adeptos deste estilo de viajar no país, empresas de locação e fabricação destes automóveis perceberam uma busca na pandemia que, em alguns casos, bateu 50% a mais do que em tempos normais.

LEIA MAIS – Santa Casa de Curitiba sorteia Ford Maverick e outros prêmios em rifa para reformar hospital

A alta foi sentida na locadora Pura Vida, de Curitiba, uma espécie de marketplace de motorhomes – a empresa gerencia o aluguel de veículos de particulares. “Desde 2019 estávamos observando um crescimento. Em 2020, no ano em que começou a pandemia, teve um aumento mais expressivo. Principalmente a partir de maio, logo após a reabertura das estradas [nos primeiros meses da crise sanitária da covid-19, alguns estados fecharam suas divisas]”, destaca Paulo Zanim, sócio-diretor da empresa.

Ele aponta que as locações subiram 50%. Por mês, sua empresa faz entre 15 e 20 locações. Podem não ser números que saltam aos olhos, mas representam muito neste segmento, onde dificilmente uma locadora tem mais de dez veículos em seu estoque. Além disso, representam bons valores de ganho, já que as diárias dos veículos costumam ficar acima dos R$ 500.

Para o empresário, o bom momento na locação de trailers e motorhomes é sentida no dia a dia. Além do mercado de locação crescer, o das montadoras desses veículos também sofreram um impacto positivo. “Na pandemia apareceram muitas novas montadoras. Outras estão pedindo prazos longos para montar veículos por causa da alta demanda”.

LEIA TAMBÉM – Fim do internamento em hospital dermatológico preocupa pacientes que precisam de tratamento especializado

É o caso da Trailemar, de Campo Largo, região metropolitana de Curitiba. Desde os anos 1980 no segmento de montagem de trailers e motorhomes, a empresa vive um grande momento. A elevada demanda e o processo extremamente artesanal de montagem — leva-se até 45 dias concluir um projeto — fez com que a empresa fechasse, ainda em abril, a entrada de novos pedidos. Quer quiser um veículo adaptado pela marca deverá esperar até 2022.

A alta procura teve relação com a pandemia. “A partir de junho [de 2020] as pessoas viram que o mundo não ia acabar, viram que viajar de trailer é seguro. Quando se pega um motorhome, a viagem é no seu núcleo familiar. Não precisa fazer check-in em hotel e aeroporto. (…) Muita gente que está em home office também viu uma opção para conciliar trabalho e diversão”, destaca Marco Antônio Ziani, diretor comercial da marca.

A empresa também tem um braço de locação dos veículos, a Trailer Adventure. A procura pelo aluguel de uma das dez unidades disponíveis subiu de 30% a 50% no período, indica o empresário.

Pesou nessa escolha também o fato de as fronteiras estarem fechadas para brasileiros em muitos destinos. Com isso, boa parte dos turistas daqui se voltaram para o território nacional. “O pessoal está viajando muito aqui dentro e temos uma estrutura melhorando no país, com muitos campings e paradas. Também há uma popularização dos motorhomes na mídia”, observa Ziani.

LEIA AINDA – Condomínios se organizam para contornar aumento da inadimplência na pandemia

Infelizmente não existem dados nacionais compilados pela Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores capazes de retratar o cenário de forma estatística. Mas, tomando como base números dos Estados Unidos e Europa, mercados em que os motorhomes são mais populares, a pandemia impulsionou o segmento. Só nos EUA, por exemplo, o número de emplacamentos destes veículos subiu 21% em 2020.

Por aqui, o indicativo é empírico, baseado na confiança dos empresários, que segue alta para 2021. “Tenho certeza [de que será um bom ano]. Em 2019, mesmo antes da pandemia, já estava tendo uma crescente. Depois da pandemia, os motorhomes vão chegar em um ponto do qual não poderão descer mais”, aposta Paulo Zanim, da Pura Vida.