A insatisfação profissional e salarial, além das dificuldades para se encontrar emprego na área de formação superior, tem feito com que muitas pessoas dêem um novo rumo à carreira e acabem optando por mudar de atividade. A mudança geralmente acontece através da decisão de se fazer uma nova faculdade, um curso de especialização ou mesmo um curso semiprofissionalizante.

Segundo o coordenador do Sistema Nacional de Emprego (Sine) no Paraná, mais conhecido como Agência do Trabalhador, José Maurino, quem termina um curso superior e não consegue emprego na área acaba se sujeitando a aceitar qualquer ocupação, mesmo que seja em um setor diferente do seu: “A mudança de área acontece com freqüência no Brasil”, comenta. “Muitas vezes, a pessoa pega o emprego em outra área de atividade como uma forma temporária de ganhar a vida. Porém, acaba se saindo bem e mesmo fazendo carreira. Geralmente um curso superior, além do conhecimento específico, dá um bom conhecimento geral às pessoas, o que permite que elas acabem se adaptando à mudança.”

A tendência se verifica entre profissionais de todas as áreas. Além da insatisfação salarial e do desemprego, outro fator que estimula a troca de atividade profissional é o fato de as pessoas normalmente optarem por um curso superior ainda na adolescência, quando não possuem maturidade para saber ao certo que profissão desejam exercer. “Algumas pessoas prestam vestibular para determinado curso porque o julgam financeiramente mais acessível ou por influência dos pais. Quando se formam e começam a trabalhar, descobrem que não era aquilo que queriam fazer e acabam optando por uma mudança”, diz o administrador de empresas Carlos Alberto Chanoski.

A área que normalmente atrai mais pessoas é o comércio. O setor, de acordo com o Sine, é o que mais oferta vagas. A indústria está com um nível de produção cada vez mais alto. “Na atividade, muitas vezes a pessoa tem sua remuneração baseada em comissões, o que é vantajoso para quem tem talento para vendas, e pode acabar formando seus próprios salários”, explica o administrador.

Exemplo

Ao falar sobre mudança de área profissional, Carlos Alberto lembra que ele próprio é um exemplo de profissional que fez esse caminho. No início da carreira, trabalhava na área administrativa de uma empresa. Tempos depois, fez um curso e foi transferido para o departamento comercial. Atualmente, trabalha com qualidade e certificação ISO 9001. “Só descobri mesmo o que eu queria fazer após os 30 anos de idade. Sempre é tempo de recomeçar. Não importa a fase da vida”, acredita.