O curso de Medicina na Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG), mesmo após ser suspenso por decreto estadual, vem rendendo benefícios aos estudantes da área da saúde da instituição. Como a criação foi vinculada aos demais cursos da área, os recursos do governo do Estado continuam sendo utilizados em obras, que agora beneficiam estudantes de Odontologia, Farmácia e Bioquímica, Ciências Biológicas, Enfermagem e Educação Física.

O reitor da instituição, Paulo Roberto Godoy, explicou que foram reformados 25 laboratórios que servirão a todos os cursos da área da saúde. Foram gastos cerca de R$ 310 mil. Para equipá-los foram gastos mais R$ 835 mil. A outra parcela de R$ 855 mil ainda não foi repassada pelo governo, mesmo assim os equipamentos já estão servindo à comunidade acadêmica. Na aquisição de livros e periódicos foram utilizados mais R$ 92 mil. “Na farmácia-escola e no laboratório-escola, que servem a todos os cursos da saúde e à comunidade, foram gastos cerca de R$ 270 mil. As obras de 1.200 metros quadrados continuam, faltando ainda receber R$ 117 mil, que serão pagos pelo governo conforme o desenvolvimento da obra”, revelou. No bloco didático de Medicina e Enfermagem já foram aplicados R$ 321 mil, ainda serão gastos mais R$ 340 mil. “O bloco engloba salas de aula, de informática e toda a biblioteca da área da saúde”, disse o reitor.

Godoy destacou que, junto com a Prefeitura, a instituição está elaborando um projeto para transformar os hospitais Municipal e da Criança, num hospital regional universitário. O projeto será encaminhado ao Ministério da Saúde. “Toda a área da saúde foi beneficiada. É uma área de excelência. Criamos condições para que um dia o curso de Medicina volte”, contou.