Na BR-116, a situação da ponte do Parque Verde preocupa os moradores do bairro Gralha Azul, em Fazenda Rio Grande. Sem iluminação, sem guardirreio em nenhum dos lados e com uma passarela nada segura, a população local briga por melhorias há dois anos, mas continua reclamando não ser atendida.

?Várias vezes já caíram carros aqui. Na passarela, por conta dos buracos, já caíram um casal e uma criança e se machucaram feio. Os acidentes começaram há quatro anos e já têm dois que estamos brigando por conta dessa situação. Até queimar pneus e fechar a ponte já fechamos?, afirma a dona-de-casa Juseli Maria Szymanski, moradora do Gralha Azul.

Na passarela de pedestre, que acompanha a ponte, faltam seis tábuas e as que estão no local estão podres ou soltas. Não há sequer uma sinalização avisando sobre a presença da ponte, tampouco um alerta sobre a situação em que ela se encontra. Com medo de cair, os pedestres são obrigados a desviar pela ponte, junto aos carros e caminhões, onde o perigo é ainda maior por falta da proteção.

Outra reclamação dos moradores é a baixa iluminação e, conseqüentemente a falta de segurança. ?A iluminação aqui também não existe. Os assaltos são freqüentes e se precisar escapar do bandido por aqui, no escuro, não tem como passar?, afirma a moradora.

DNIT

A equipe de O Estado entrou em contato com o Departamento Nacional de Infra-estrutura Terrestre (Dnit) que, segundo o engenheiro responsável pela ponte, Ronaldo Jares, informou que a restauração da ponte, assim como a de outra na mesma localidade, já está prevista para começar em outubro. Além de nova passarela para pedestre e novos guard rail, no projeto está prevista a ampliação da capacidade da ponte para suportar até 45 toneladas. A construtora que realizará a obra será a construtora Empo, de Curitiba.