Os moradores das localidades de Belo Rincão e Colônia Faria, em Colombo, na Região Metropolitana de Curitiba, estão cansados de reclamar da falta de abastecimento de água. Eles afirmam que o problema já dura mais de dez anos. A Sanepar reconhece o problema e pede colaboração da comunidade.

A dona-de-casa Vanda Gaspar Braun está revoltada com a situação. Ela conta que além da falta de água para o consumo, também não tem água para limpeza. “Hoje tive que lavar roupa na mão porque não tem água na máquina de lavar”, comenta. A única solução encontrada para amenizar a situação está sendo puxar água de um poço artesiano instalado ao lado da casa.

O mesmo problema foi relatado pela dona-de-casa Gilsa Helena Santos. Segundo ela, a água só vem de madrugada, e no dia seguinte a família tem que optar em que utilizar o produto. “A água vem de noite e a gente tem que escolher em fazer a limpeza ou tomar banho”, comenta. Gilsa ressalta ainda que acaba fazendo o trabalho dobrado, pois precisa acumular toda a roupa suja e torcer para que a água desça pela torneira.

Para tentar amenizar o problema, a Sanepar envia água por meio de caminhões-pipa. Vanda Braun afirma que muitos não acham justo receber o produto dessa forma, “pois a gente paga para ter água na torneira”. Ela comenta que o que mais revolta os moradores é a conta para o pagamento da tarifa, entregue rigorosamente em dia. Vanda mostra que em dezembro recebeu uma conta de R$ 12,25 e em janeiro, de R$ 13,60. Com ainda não pagou as duas faturas, recebeu uma carta da empresa informando que se ela não regularizar a situação terá a água cortada. “Isso é uma piada, pois vão cortar o quê?”, questiona.

Projetos

O coordenador do Sistema de Produção e Distribuição da Sanepar em Colombo, Deogenes Sereniski, admitiu que o problema existe, afirmando que como houve um crescimento populacional na região, o abastecimento ficou aquém. Segundo ele, o problema de abastecimento acontece, na maioria das vezes, por falha no sistema de captação e bombeamento de água. O coordenador afirmou que existe um projeto ? que deverá ser executado a partir de junho ? para a criação de uma rede passando por Colombo até Campina Grande do Sul, que deverá resolver o problema. Porém, ele ressaltou que em março deverá ser construído um poço artesiano para regularizar o fornecimento de água.

Sempre que há uma reclamação, diz Sereniski, a Sanepar envia caminhões de água para atender à comunidade. “Porém muitos não querem ou não estão aptos para receber, pois trazem apenas panelas ou baldes com capacidade para armazenar uma pequena quantidade de água”, diz. Ele salienta que gostaria que a população tivesse um pouco de paciência, pois a empresa está tentando resolver o problema.