De janeiro a março, os três primeiros meses de uma lei seca mais rigorosa, o número de óbitos em acidentes de trânsito caiu 40%. Os motoristas passaram a ter mais medo da lei, que prevê multa de R$ 1.915,40 e, em caso de reincidência dentro de um ano, R$ 3.830,80. Tanto é que até a movimentação de clientes nos bares diminuiu em 30%. Mas o medo só existiu no começo.

De acordo com o BPTran, nos meses seguintes a março, os motoristas voltaram a misturar álcool e volante. 30% a 40% dos acidentes em geral envolvem condutores alcoolizados. No acidentes mais graves, com vítimas feridas e mortas, o número de motoristas embriagados sobe para 50%.

O bafômetro já não é mais a única maneira de atestar embriaguez. Vídeos, fotos e comportamentos também podem servir de prova. Motoristas que fazem o bafômetro e resultam em valor igual ou acima de 0,34 miligramas de álcool por litro de ar alveolar expirado estão cometendo um crime e podem ser presos.