A proximidade do verão, período em que o movimento no litoral do Paraná aumenta significativamente, fez com que o Ministério Público do Paraná convocasse uma reunião com os grandes geradores de lixo de Paranaguá, Pontal do Paraná, Guaratuba, Matinhos, Antonina, Morretes e Guaraqueçaba. O tema da conversa será o gerenciamento de lixo na região, que enfrenta sérios problemas de armazenamento.

?A produção de lixo aumenta no verão e precisamos que, antes que ele chegue, os grandes geradores apresentem os planos de gerenciamento de resíduos e que eles sejam aplicados logo?, diz o procurador Saint-Clair Honorato Santos, coordenador do Centro de Apoio Operacional às promotorias do Meio Ambiente.

Estabelecimentos que produzem uma quantidade grande lixo, como hotéis, restaurantes, mercados e hospitais terão que apresentar o plano de ação até 30 dias após a reunião. ?Bons planos de reciclagem e compostagem (lixo orgânico) podem reduzir em até 80% o volume do lixo armazenado nos aterros?, diz o procurador.

Prefeituras

A reunião sobre gerenciamento de lixo já foi realizada com os prefeitos da região e foi estabelecido um prazo de 90 dias – o encontro foi em agosto – para que o gerenciamento da coleta nos municípios fosse realizado.

Segundo Santos, não há coleta seletiva e os aterros nas cidades litorâneas são abertos, resultando na presença maciça de catadores nos lixões, inclusive de crianças. ?Em Paranaguá a situação é grave. Têm pessoas que praticamente moram no local. Se houvesse um plano eficiente de coleta seletiva, a questão seria solucionada?, diz.

Na tentativa de organizar o trabalho dos catadores de papel no litoral, a procuradora do trabalho Margareth Matos está trabalhando para implantar na região o Instituto Lixo e Cidadania, que visa melhores condições de trabalho para os catadores.