Cerca de 60 mil famílias da Região Metropolitana de Curitiba (RMC) que moram em áreas de risco aguardam uma solução das prefeituras para a regularização fundiária. Na capital são 53 mil famílias em áreas irregulares, sendo 11 mil vivendo na beira do rio.

Para agilizar esse processo, o Ministério Público do Paraná (MP-PR) cobrou ontem das prefeituras a implementação de planos municipais de habitação e regularização fundiária.

A partir da audiência pública vai sair um diagnóstico das regiões com problemas de habitação, principalmente nas áreas de proteção permanente e áreas de risco. A principal cobrança do MP-PR aos municípios é que eles coloquem o problema da regularização fundiária nos seus planos orçamentários.