Morreu na última quinta-feira de causas naturais em Astorga, norte do Paraná, a mulher que seria a mais velha do mundo. Maria Olívia da Silva afirmava ter 130 anos, todavia, os documentos originais foram acidentalmente queimados na década de 60, fato este que fez com que o Guiness Book nunca a reconhecesse como a mulher mais velha. Natural de Varsóvia, capital da Polônia, a aposentada teria nascido no dia 28 de fevereiro de 1880.

Segundo o seu filho e lavrador Aparecido Silva, de 58 anos, Olívia da Silva já estava com a saúde bem debilitada. Os médicos alertaram ele e seus outros irmãos de que ela poderia morrer de uma hora para outra.

“A saúde dela estava bem debilitada. Ela não se locomovia, mal ouvia e enxergava, e tinha problemas nos rins, coração e pulmão. O estado dela começou a ficar ruim há três anos. Neste período, ela fazia de tudo, comia de tudo e até bebia refrigerante”, revela.

Serena

O lavrador conta que ela morreu de forma serena, sem fazer barulho. “Ela jantou, bebeu água e foi para o quarto. Quando percebemos, ela estava morta. Não deu tempo de socorrê-la. Minha mãe partiu de uma maneira bem tranquila”, conta. Maria Olívia da Silva casou duas vezes e teve 14 filhos, dos quais 10 são naturais e quatro adotados. Apenas três continuam vivos.