A APP (Sindicato dos Trabalhadores em Educação Pública do Paraná) realizou ontem eleições para a escolha da nova presidência e dos membros da diretoria estadual, das 29 diretorias regionais e dos conselhos estadual e fiscal da entidade. O sindicato representa professores e funcionários dos ensinos básico, fundamental e médio das escolas públicas estaduais e municipais do Paraná. No total, cerca de 56 mil sócios elegeram 858 dirigentes e mais nove suplentes do conselho fiscal. Os nomes dos eleitos serão conhecidos ainda hoje pela manhã.

Entre os candidatos à presidência da entidade, as principais propostas concentram-se em aumentar receitas aplicadas na educação básica e igualar os salários dos servidores da educação aos de outras secretarias, além de melhorar aspectos relacionados à saúde dos professores e funcionários com medidas preventivas. ?Pretendemos fazer com que o governo aplique no mínimo 25% da receita dos impostos na educação básica, o que não vem acontecendo. No ano passado, este número ficou em 19%. Também queremos que os professores e funcionários do Estado recebam o mesmo que servidores de outras secretarias. Já conseguimos reduzir essa diferença, mas ainda falta 48% de reajuste para alcançarmos nossa meta?, expõe o professor José Rodrigues Lemos, que tenta a reeleição à presidência da APP encabeçando a Chapa 1.

Já a professora Maria Helena Guarezi, que disputa a presidência da entidade pela Chapa 2, teve como principal foco de sua campanha o aspecto da saúde do trabalhador da Educação. ?Além da reposição salarial no formato que a APP já está pedindo, queremos mudanças do ponto de vista da saúde, aplicando medidas para prevenir doenças, principalmente as ocupacionais, ligadas à carga de trabalho, à quantidade de alunos em sala de aula e à pressão que o educador sofre, sendo responsável por quase tudo que acontece nas escolas?, avalia a candidata, que também propõe a criação da Secretaria de Saúde do Trabalhador em Educação, interna ao sindicato, para analisar as condições vividas por esses profissionais e apresentar propostas ao governo para resolver o problema das doenças ocupacionais.

A posse de todos os eleitos acontecerá em até 30 dias. O novo presidente e os outros 14 membros da diretoria estadual dirigirão a entidade pelos próximos três anos.