Sanada a expectativa para a confirmação de Curitiba como uma das sedes da Copa do Mundo, que começa em junho, a atenção agora se volta para as obras de mobilidade. Faltando 110 dias para o início do Mundial, a Avenida Comendador Franco (Avenida das Torres), que compõe o corredor Aeroporto-Rodoviária (via de boas vindas aos visitantes), ainda é motivo de dor de cabeça para moradores, motoristas e comerciantes.

O Paraná Online vem acompanhando o andamento das obras e o impacto no dia a dia de quem mora ou frequenta a área. Na última quarta-feira, a reportagem visitou mais uma vez o local e encontrou ao menos quatro pontos de desvios, além das obras nas calçadas, que se estendem por grande extensão. Também seguem em obras a Avenida das Américas, em São José dos Pinhais, e o viaduto de acesso ao município pela Avenida Marechal Floriano Peixoto.

Suellen Lima
Avenida das Torres está cheia de desvios.

A principal reclamação dos motoristas é a demora no trajeto e os congestionamentos constantes entre Curitiba e São José, nos dois sentidos. “Dependendo do horário fica bem complicado passar por aqui (Avenida das Torres). Se a pessoa tem pressa, ela tem que esperar”, avalia a representante comercial Maria José Pietrobeli, 59. Ela conta que com as obras, o trajeto que antes era percorrido em no máximo meia hora demora agora o dobro do tempo. “Está cada dia pior, mas dizem que vai melhorar”, afirma.

Morador de São José dos Pinhais, Nelmo Novak, 39, gerente de um posto de gasolina localizado logo após o portal do município, conta que sua esposa demora todos os dias uma hora e meia para chegar ao Jardim Botânico, na capital. “E não tem por onde ir”, diz. Além disso, os trabalhos em frente ao posto onde ele trabalha impactaram no movimento. “Desde o começo das obras o movimento diminuiu 25%. Não tem como piorar”, lamenta.

Na floricultura de Gabriel Godoi, 28, o impacto foi maior. O acesso à loja foi está interditado com as obras. “O movimento caiu 60%. Não entra mais ninguém, só quem já conhece a empresa vem pelo outro lado e não pela Avenida das Torres”, diz.

Para os pedestres, o problema está na falta de calçadas em vários trechos. O casal Aline Moreira, 21, e Emiliano Charneski, 21, se arrisca ao sair de casa, localizada em frente às obras para a construção de uma trincheira no cruzamento com a Avenida Arapongas, em São José dos Pinhais. “E de noite é ainda mais perigoso, fica tudo escuro e não tem sinalização”, avisa Aline. A empregada doméstica Valquiria Machovski, 56, prefere andar mais até o ponto de ônibus a ter que enfrentar a calçada em obras. “Todo dia está ruim, principalmente quando chove”, conta.

Final de maio é o limite

A Coordenação da Região Metropolitana de Curitiba (Comec) e a Secretaria Municipal da Copa do Mundo 2014, responsável pelas obras em São José dos Pinhais e em Curitiba, respectivamente, garantem que tudo estará pronto até o final de maio, às vésperas do início dos jogos.

“Será mantido o compromisso da entrega antes da Copa, até 30 de maio. Readequamos os cronogramas e já está pactuado com as empresas”, garante o diretor técnico da Comec, Sandro Setim. Ele ressalta que as empresas aumentaram a frente e o ritmo de trabalho para que o prazo seja cumprido.

O secretário municipal da Copa do Mundo, Re,ginaldo Cordeiro, atribui o atraso no andamento dos trabalhos às condições em que o projeto foi recebido pela atual gestão. Além disso, algumas empresas desistiram de prestar o serviço, comprometendo os prazos. “Tivemos que reconcluir os projetos que estavam em fase inicial, relicitar obras e refazer orçamentos”, explica.

Ele ainda destaca que as obras estão em ritmo acelerado e garante que a Rodoferroviária também estará pronta. “A única obra que pode não estar totalmente pronta é o Terminal Santa Cândida. Não é fundamental para o eixo turístico, mas é muito importante na integração com a Região Metropolitana Norte”, afirma.

Clique nos pontos abaixo para ver em detalhes o que deixa o trânsito mais lento na Avenida das Torres e na ligação da Avenida Marechal Floriano Peixoto com São José dos Pinhais:

Confira no vídeo o caos das obras.