A equipe vencedora do 3.º Circuito PMPR, a olimpíada interna em comemoração ao aniversário de 153 anos da Polícia Militar do Paraná, vai ser conhecida nesta quarta-feira (8), quando acontecem as provas de cabo de guerra e revezamento físico. A competição, que começou nesta terça-feira (7), reúne policiais militares de todas as unidades da corporação. Neste primeiro dia de competições foram realizadas provas de habilidade com motos e com viaturas, teste de aptidão de tiro, prova de técnica de abordagem policial e ciclismo/duatlon.

A única prova que já teve o resultado anunciado foi o teste de aptidão em tiro, vencida pelo tenente Luciano José Ribeiro Romão, que trabalha no 19.º Batalhão da PM, em Toledo, e integra a equipe do Comando do Policiamento do Interior (CPI). Ele concluiu a pista de tiro em 5 minutos e 26 segundos, somando 212 pontos. ?Busquei fazer tudo com tranqüilidade sem deixar de lado as técnicas necessárias para garantir a segurança de todos ao redor. Numa ocorrência também funciona assim. O policial tem sempre que manter o controle da situação?, comentou.

Este é o terceiro ano em que esta espécie de olimpíada é realizada. A intenção é que os policiais possam se atualizar ou treinar, pois a atividade que desempenha requer este tipo de cuidado. O organizador do Circuito PMPR, major Douglas Sabatini Dabul, disse que provas como esta resultam em ganho para toda a sociedade. ?O policial e o bombeiro demonstram habilidades que nem sempre estão acostumados a usar no dia-a-dia mas que, numa necessidade, vão precisar lançar mão?, completou.

É o caso da prova de habilidade com motos. ?É mais fácil apagar incêndio do que cumprir a pista de testes?, disse o soldado Jair Santos do Amaral, do 1.º Grupamento de Bombeiros. A competição de habilidade com motos foi montada nos moldes das pistas de testes do Batalhão de Polícia de Trânsito. Da mesma forma, os policiais não tão acostumados com o veículo, também sentiram dificuldade. ?Mas esta superação nos deixa cada vez mais preparados para enfrentar os desafios diários?, disse o soldado Sidnei Rogério, do 6.º Grupamento de Bombeiros.

Na prova de habilidades com viaturas, alguns participantes se depararam com um obstáculo que prejudicou o tempo final: o cone. Cada vez que motorista, usando o carro de testes cedido por uma concessionária de Curitiba passava por cima de um cone, mais 10 segundos eram somados ao tempo da prova. Os participantes revelam o segredo para cumprir o percurso sem faltas: tranqüilidade. ?Tanto na rua quanto numa prova como essa é preciso dirigir de forma tranqüila?, disse o soldado Wilmar Edson Fernandes, que é motorista da Companhia de Polícia de Choque há 17 anos.