Muros e fachadas de lojas são os
principais alvos dos pichadores.

Cerca de vinte voluntários da organização não-governamental (ONG) “Associação dos Condomínios Garantidos do Brasil” promoveram ontem a limpeza de duas cabines telefônicas no centro de Curitiba dentro da campanha “Combate à Pichação”. Houve ainda distribuição de cerca de dois mil adesivos na esquina das ruas Marechal Floriano e Marechal Deodoro, além de exposição de faixas, que chamavam a atenção de pedestres e motoristas.

De acordo com Carla Guerra, uma das coordenadoras da campanha, o objetivo era conscientizar as pessoas no combate à pichação. “A gente quer sensibilizar as pessoas para que não deixem o muro de suas casas pichados. Que cubram com cal e água”, explicou Carla. Segundo ela, a limpeza do muro, ao invés de incitar os pichadores a praticar o ato ainda mais, faz com que a pichação diminua. “Queremos vencê-los pelo cansaço”, comentou.

Carla conta que trabalhos em regiões como o Bairro Alto e o Boqueirão mostraram que a pichação realmente diminuiu. “No Bairro Alto fizemos um trabalho intenso de um mês, despichando casas, comércio. Alguns lugares não voltaram mais a ser pichados”, revelou. O próximo alvo é o bairro Santa Cândida, onde, no próximo dia 4, a Escola Municipal Augusto Cesar Sandino será ?despichada?. Está programada ainda a limpeza de outros quatro colégios do bairro.

“Antes de fazer a despichação, realizamos palestra com as crianças para conscientizá-las de que, nas palavras delas, ?pichar não é legal”, contou Carla. O trabalho de limpeza é feito com brocha, cal e água, doados pela Associação dos Condomínios Garantidos do Brasil, entidade criada em 2000.

Serviço – Quem quiser mais informações sobre a campanha e sobre a ONG pode ligar para a coordenadora Carla Guerra, no fone (41) 9982-6404.