Valquir Aureliano / O Estado do Paraná
À noite, os fiéis saíram
da Catedral em procissão.

Cerca de seis mil pessoas visitaram durante o dia de ontem a Catedral Basílica de Curitiba para homenagear a padroeira da cidade, Nossa Senhora da Luz dos Pinhais. A capital foi fundada sob sua bênção, sendo impossível contar a história de Curitiba sem falar de Nossa Senhora. Para homenageá-la, os fiéis participaram de várias missas ao longo do dia e de uma procissão à noite.

A primeira missa aconteceu às 8h30. Foi celebrada pelo pároco da catedral, Pedro Wilson Alves de Souza Filho. Durante a solenidade, ele destacou que a devoção a Nossa Senhora da Luz dos Pinhais cresce a cada dia. Pelo menos dois mil fiéis passam diariamente pela Catedral para rezar e agradecer por graças alcançadas.

A missa celebrada às 10h foi a mais festiva. Os fiéis homenagearam a padroeira entoando cânticos. O sermão proferido pelo arcebispo de Curitiba, dom Moacyr Vitti, teve como tema “Com Maria Queremos ver Jesus”. É a primeira vez que ele preside a celebração como arcebispo -durante 14 anos participou como bispo auxiliar.

Às 18h foi realizada outra missa. Logo em seguida, os fiéis saíram em procissão pelas ruas centrais da cidade -Barão do Cerro Azul, Tobias de Macedo, Riachuelo, XV de Novembro e Marechal Floriano Peixoto – retornando em seguida para a Basílica.

A primeira imagem da Mãe de Jesus chegou à região de Curitiba no início do século XIX com os seus fundadores, que se instalaram às margens do Rio Atuba. Mas a devoção a Nossa Senhora da Luz é muito antiga. Surgiu em 1463, em Carnide, Portugal, depois que um rapaz humilde chamado Pero Martins começou a vê-la em sonho. Sua imagem, geralmente, a mostra vestida com uma túnica, coberta por um manto que lhe cai aos pés, usando uma coroa e carregando o menino Jesus no braço esquerdo. O menino segura uma vela ou uma lamparina na mão direita.

História

A história de Curitiba se confunde com a fé dos primeiros curitibanos por Nossa Senhora. Em 1649, o general Eleodoro Ébano Pereira subiu a Serra do Mar à procura de mais ouro. Às margens do Rio Atuba fundou o povoado chamado de Vilinha, onde foi construído uma tosca capelinha de sapé.

Conta a lenda que os moradores começaram a perceber que todos os dias Nossa Senhora amanhecia com o olhar voltado para o lugar onde hoje é o marco zero de Curitiba, a Praça Tiradentes. Os moradores mudaram a povoação para lá, e em 29 de março de 1693 nascia a Vila de Nossa Senhora da Luz dos Pinhais. O cacique Tindiquera, da tribo Tingüi, pronunciou pela primeira vez o nome da cidade de Curitiba – “Coré-Tuba”, que significa “muito pinhão”. Em 1842 a vila ascendeu à categoria de cidade, com o nome definitivo de Curitiba, e em 1854 passou a ser a capital do Estado do Paraná.

Não se sabe ao certo a data da criação da Paróquia Nossa Senhora da Luz de Curitiba. Aceita-se como provável o ano de 1668. Mas só há registros históricos de 1683, que são anotações num livro de batizados. O primeiro pároco foi o padre João de Souto. Na época havia em Curitiba outras quatro igrejas: a da Ordem Terceira de São Francisco das Chagas (a edificação, de 1737, hoje é o edifício mais antigo da cidade), a de Nossa Senhora do Rosário dos Homens Pretos, a de São Francisco de Paula, e a do Senhor Bom Jesus do Cabral.