O pai do menino que teve o braço arrancado por um tigre no zoológico de Cascavel, na região oeste do Paraná, foi condenado pela Justiça, na quinta-feira (29). De acordo com a decisão judicial, Marcos do Carmo Rocha foi omisso durante o acidente. Segundo a juíza do caso, outros visitantes e funcionários do local já haviam pedido para o menino se retirar do local.

Com a decisão, Marcos foi condenado a três anos de reclusão. Entretanto, como é réu primário o cumprimento será no regime aberto ou com prestação de serviço comunitário, em pena alternativa.

Marcos, o pai de Vrajamani. Foto: Reprodução.
Marcos, o pai de Vrajamani. Foto: Reprodução.

 

O acidente

O acidente aconteceu em agosto de 2014, enquanto o pai levava o filho de 11 anos passear no zoológico de Cascavel. O menino, Vrajamani Rocha, teve complicações após o ataque do animal e teve o braço amputado. Morador de São Paulo, o adolescente estava passando férias com o pai no oeste do Paraná.

+ Leia mais: “Não doeu”, disse menino atacado por tigre

Para a decisão, foram ouvidas testemunhas, incluindo funcionários do zoológico. Pessoas que estavam visitando o local informaram que o menino foi alertado que era perigoso se aproximar da jaula do animal, porém, mesmo assim, o pai continuou incentivando o filho a passar a mão.

Atleta paraolímpico

Aos 15 anos, o jovem encontrou no esporte o escape definitivo para as frustrações que sempre procurou combater. Tornou-se um nadador de talento, e tem aprimorado suas habilidades para brilhar no mundo paraolímpico. Neste ano, passou a treinar no Centro Paraolímpico Brasileiro em São Paulo, mesmo local que serve de base para a seleção brasileira, mantido pelo CPB (Comitê Paraolímpico Brasileiro).

Coronel dos Bombeiros será indenizado pelo governo após ser inocentado por mortes no Boqueirão