De olho na redução de custos, parte da frota de carros oficiais do governo do Estado será substituída pela utilização de aplicativos de transporte de passageiros. O projeto-piloto passa a funcionar inicialmente em Curitiba, apenas para deslocamentos de servidores em atividades administrativas. Os veículos que anteriormente eram utilizados nesse tipo de serviço serão remanejados para áreas de saúde e segurança pública, consideradas prioritárias. Nesse primeiro momento, são 300 carros nessa situação.

+ Leia mais: Vereadores aprovam projeto de lei da prefeitura que tira benefício de servidores

Na avaliação da Secretaria Estadual de Administração e Previdência, a medida deve otimizar recursos, com a redução de custos em combustível, manutenção, motorista e impostos, além de evitar gastos, como a aquisição do carro, e perdas geradas pela depreciação natural dos veículos. Outra expectativa é por agilizar a prestação dos serviços, com economia de tempo a partir da disponibilidade dos carros sempre que um servidor tiver a necessidade de fazer deslocamentos.

+Leia também: Meio milhão de pessoas devem passar pela rodoviária de Curitiba no fim de ano

De acordo com estudo feito pelo Instituto Paranaense de Desenvolvimento Econômico e Social (Ipardes), a expectativa é por economizar perto de 50% no quilômetro rodado: a despesa deve cair de R$ 6,50 (valor médio gasto com os veículos de funções administrativas) para R$ 3,70 (nos moldes do projeto-piloto). O cálculo levou em consideração itens como manutenção, abastecimento, depreciação e custos com motorista.

O transporte individual externo será feito por meio do uso de um aplicativo a ser disponibilizado pela empresa Mega Táxi Brasil, vencedora da licitação – o arremate foi de R$ 3,4 milhões. Cada órgão participante terá direito a uma determinada quilometragem mensal. No total, o acordo com o governo prevê 76.944 km por mês. A ferramenta será usada para o gerenciamento e o registro das chamadas.

+ APP da Tribuna: as notícias de Curitiba e região e do trio de ferro com muita agilidade e sem pesar na memória do seu celular. Baixe agora e experimente!

De acordo com o governo, 22 órgãos já participam da iniciativa

Entre parênteses, a quilometragem disponível por mês

Adapar – Agência de Defesa Agropecuária do Paraná (350)

Agepar – Agência Reguladora de Serviços Públicos Delegados de Infraestrutura do Paraná (2 mil)

AGUASPARANÁ – Instituto das Águas do Paraná (200)

CEP – Colégio Estadual do Paraná (3 mil)

CPRA – Centro Paranaense de Referência em Agroecologia (1.250)

CRE – Coordenação da Receita do Estado (5.834)

DER – Departamento de Estradas de Rodagem (350)

DPPR – Defensoria Pública do Estado do Paraná (6.250)

FUNEAS – Fundação Estatal de Atenção em Saúde do Estado do Paraná (700)

IAP – Instituto Ambiental do Paraná (1.200)

II-SESP – Instituto de Identificação – SESP (200)

JUCEPAR – Junta Comercial do Paraná (550)

RTVE - Rádio e Televisão Educativa do Paraná (800)

SEAP – Secretaria de Estado da Administração e da Previdência (30 mil)

SEEC – Secretaria de Estado da Cultura (400)

SEED – Secretaria de Estado da Educação (20 mil)

SEFA – Secretaria de Estado da Fazenda (2500)

SEJU – Secretaria de Estado da Justiça, Trabalho e Direitos Humanos (300)

SESA – Fundo Estadual de Saúde SESA (840)

SETI – Secretaria de Estado da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (60)

SUBPR-3CRPM – 3° CRPM – SESP – Sub-Comando Geral da Polícia Militar (60)

SUBPR-5CRPM – 5° CRPM – SESP – Sub-Comando Geral da Polícia Militar (100)

Calor se espalha pelo Paraná e ‘caldeirão’ de Antonina chega a 50ºC