O balanço sobre o Programa Paraná Alfabetizado, divulgado pela Secretaria da Educação, mostra que já foram cadastradas 64.800 analfabetos desde a campanha iniciada em 10 de junho. Um crescimento de 29 % em relação ao balanço anterior, realizado em julho, quando, até então, havia 50 mil cadastrados. “O objetivo é alfabetizar o maior número possível de jovens acima de 15 anos, adultos e idosos que ainda não aprenderam a ler”, afirma o secretário da Educação, Maurício Requião.

O secretário disse que este balanço reflete o empenho da Secretaria no bom andamento da campanha de alfabetização no Paraná. “Se o número de pessoas cadastradas continuar a crescer proporcionalmente, o Paraná poderá mudar o quadro do analfabetismo em relação ao país”, comentou.

A Campanha Paraná Alfabetizado, iniciada no Dia Nacional da Língua Portuguesa, tem as diretrizes fundamentadas no Projeto Brasil Alfabetizado do Ministério da Educação e foi implantada pelo “Comitê Paranaense de Alfabetização de Jovens, Adultos e Idosos”, criado em 17 de maio.

O Comitê, formado por uma parceria entre a Secretaria da Educação, a Associação dos Municípios do Paraná (AMP), a União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação (Undime), igrejas e demais entidades representativas da Sociedade Civil, pretende mobilizar todos os setores da comunidade para cadastrar, no Programa, o maior número possível de analfabetos existentes no Estado. Segundo dados do IBGE de 2004, o Paraná teria 650 mil analfabetos.

Segundo com a Chefe do Departamento de Educação de Jovens e Adultos, responsável pela coordenação da Campanha, Maria Aparecida Zanetti, o Paraná Alfabetizado não tem prazo determinado para encerrar e deverá prolongar-se até que o número de cadastrados seja satisfatório. “Porém, correr contra o tempo é uma das metas para erradicar o analfabetismo no Paraná”, ressalta Zanetti.

Alfabetizadores

Foram contratados 2.300 alfabetizadores em todo o Estado para alfabetizar os jovens, adultos e idosos cadastrados pelo Programa. Os professores já estão atuando em cerca de 96 Municípios, com baixo IDH (Índice de Desenvolvimento Humano), com taxa de analfabetismo acima de 18% e onde está concentrado o maior número de pessoas que não sabem ler. “Os professores atuam como agentes colaboradores, sem vínculo empregatício”, explica Zanetti. O Programa ofereceu também aos professores uma bolsa-auxílio de R$ 120 e mais R$ 7 por aluno em sala de aula, sendo que o limite máximo é de 20 alunos em cada sala de aula.

Segundo Maria Aparecida, a proposta da Secretaria da Educação é de sistematizar as diretrizes curriculares para a educação de jovens e adultos. Para tanto os alfabetizadores passaram por um processo de treinamento em Faxinal do Céu, onde receberam instruções da Secretaria com proposta de formar alfabetizadores com uma só diretriz. “Já que trabalhamos com professores formados, intencionamos fazer com que todos passem pelo curso. A finalidade é de utilizar uma só concepção e uma só linguagem no sentido de que este professor busque técnicas mais atraentes aos olhos dos alunos”, considerou Zanetti.

O cadastro pode ser feito nas escolas municipais e estaduais, associações comunitárias, igrejas e postos de saúde em todo o Paraná. Não é obrigatório a apresentação de documentos pessoais. Outras informações pelo site www.paranaalfabetizado.pr.gov.br  ou pelo 0800-416200.