As escolas estaduais do Paraná devem iniciar o ano letivo de 2021 a partir do dia 18 de fevereiro com aulas presenciais em modelo híbrido. O anúncio foi feito durante uma entrevista coletiva na tarde desta terça-feira (15) com o governador Ratinho Junior, o secretário de educação Renato Feder e o ministro da educação Milton Ribeiro.

De acordo com o secretário Renato Feder, a preferência para assistir às aulas presenciais será dada aos alunos que não tecnologia para acompanhar os professores de forma remota, via internet. “O limite de alunos vai ser dado pelo distanciamento de 1,5 metro. Por exemplo, uma sala normal terá entre 8 a 10 alunos e os outros acompanharão de casa”, revelou o secretário.

LEIA TAMBÉMPais pedem volta às aulas presenciais. “O aprendizado delas não é só o conteúdo online”

As aulas presenciais e as transmitidas pela internet serão dadas simultaneamente. O professor vai poder explicar o conteúdo em sala de aula para os alunos que estarão na escola e também para aqueles que estarão acompanhando de casa. “O professor vai poder ver o rosto dos alunos e os alunos o rosto do professor, ao vivo”, explicou Feder durante a coletiva.

Para manter toda a segurança exigida para pandemia, o governo do estado vai distribuir nas escolas kits com álcool em gel, termômetros, botas, luvas, máscaras faciais. Será obrigatório a aferição de temperatura para entrar na escola e também o uso de máscara facial tanto para funcionários, como também para professores e alunos.

O governo do estado, porém, não deu detalhes durante a coletiva se haverá fiscalização nas escolas e também se haverá algum tipo de controle sanitário maior, como testagem entre funcionários e professores.

Aulas presenciais não serão obrigatórias

O secretário da saúde Renato Feder deixou claro durante a coletiva que os pais e alunos que não quiserem assistir as aulas presenciais, poderão manter com o estudo remoto. Mesmo aquele aluno que não tem acesso a tecnologia e não quiser ir presencialmente à escola, poderá continuar com o modelo adotado esse ano, retirando o material didático impresso diretamente na escola.

Os estudantes que participarão das aulas presenciais deverão participar de um revezamento. “Uma semana na escola, uma semana on-line. Não vai ser obrigatório para os alunos irem a escola, somente os pais que desejarem”, explicou o secretário de educação.

Quanto vai custar toda a estrutura?

Para criar toda a estrutura para transmissão das aulas on-line ao vivo, Ratinho Jr revelou que o estado deve investir em torno de R$ 70 milhões para a compra de televisores, câmeras e computadores. “Estamos antecipando esse recurso que é necessário”, justificou.