Os primeiros resultados da Contagem da população/2007, divulgados ontem pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), mostram que o Paraná e a Região Metropolitana de Curitiba (RMC) continuam crescendo, mas em ritmo menos acelerado do que apontavam as estimativas. O Estado, segundo a contagem, acaba de atingir a marca de 10.155.274 habitantes, ficando aquém das expectativas projetadas para o ano passado, que davam conta de uma população de 10.387.378. Apesar de o recenseamento ainda ter alguns domicílios para contabilizar, o IBGE adianta que, no Paraná, a maior parte do número já foi apurada e que a diferença não deve ser considerável quando a contagem terminar, no mês que vem.

O instituto já recenseou mais de 105 milhões de pessoas e cerca de 34 milhões de domicílios em todo o Brasil. A contagem foi feita em 5.414 municípios com até 170 mil habitantes e em mais 21 municípios situados em 14 estados onde, além da capital, um ou dois excedem esse teto de população. No Paraná, ficaram de fora as cidades de Curitiba, Cascavel, Colombo, Foz do Iguaçu, Londrina, Maringá, Ponta Grossa e São José dos Pinhais, para as quais a contagem atribuiu as estimativas populacionais feitas pelo IBGE para 2006, com base em números do registro civil. Por enquanto, os 399 municípios do Estado somaram 10.155.274 habitantes, 591.816 a mais que o contabilizado no Censo de 2000.

O ritmo de crescimento, entretanto, se mostrou menos acelerado que se previa em todo o Estado – principalmente na RMC. Há dois anos, por exemplo, o IBGE previa 106.582 habitantes a mais para o Paraná que o levantado na contagem deste ano. A Grande Curitiba, por sua vez, atinge a marca de 3.117.369 em 2007, contra os 3.261.168 previstos nas estimativas do IBGE para o ano passado. População esta que aumentou em 390.873 habitantes em relação ao Censo de 2000, quando possuía 2.726.496 habitantes -lembrando que à época a Lapa ainda não fazia parte da RMC. Os dados mostram, porém, que se o ritmo continuar assim, as previsões de 4,92 milhões de habitantes em 2020 para a RMC, projetadas pelo Instituto Paranaense de Desenvolvimento Econômico e Social (Ipardes) recentemente, com base no Censo de 2000, não devem se concretizar.

Menos crescimento

O destaque fica por conta de Almirante Tamandaré e Fazenda Rio Grande, na Grande Curitiba. Na primeira, os 113.589 habitantes previstos para o ano passado não chegaram a 90 mil nesta contagem. Na segunda, onde cálculos do Ipardes apontavam para até 356 mil moradores em 2020, a contagem de 2007 mostra 71.366 habitantes, somente 11,9% a mais que há sete anos, quando possuía cerca de 62 mil.

Os resultados ainda são preliminares, mas o IBGE no Paraná antecipa que o Estado não deve chegar a números significativamente diferentes dos atuais. Dos municípios onde foi realizada a contagem, o maior é Guarapuava (157.012). Em seguida, aparecem Paranaguá (130.410), Apucarana (113.507), Toledo (109.425), Araucária (107.806) e Pinhais (104.936). O menor município é Nova Aliança do Ivaí, com 1.373.

Natalidade com taxa ?européia?

O professor do Departamento de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Federal do Paraná (UFPR), Luís Henrique Fragomeni, ficou surpreso com os dados levantados pela contagem para a RMC em vista das estimativas anteriores e adianta que o mesmo deve ser observado em Curitiba, quando houver novo censo. ?A média de natalidade (na capital) já está com taxas européias, na média de 1,4 filho por mulher?, lembra.

No que se refere à RMC, porém, o especialista prevê forte repercussão política no crescimento menos acelerado, uma vez que a contagem servirá de base de cálculo das cotas referentes ao Fundo de Participação dos Municípios (FPM), distribuído pela União. ?Redução no crescimento representa menor participação. Hoje o fundo equivale a 40% do orçamento dos municípios?, apura.

Para Fragomeni, o ritmo de crescimento mostra que o Estado precisa ser mais atraente a sua própria população. ?Deve dar margem para pensarmos mais no uso do território e enxergar novas qualidades para manter o paranaense aqui, evitando que migre para outras regiões.?