O governo do Paraná lançou nesta quarta-feira (13) um novo fundo para aprovação de operações de crédito para empresários de todo o estado. O Fundo de Aval Garantidor das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte do Paraná (FAG/PR) pretende agilizar a aprovação dos créditos da Fomento Paraná, que tem oferecido diferentes linhas de crédito para aliviar a crise provocada pela pandemia do coronavírus.

LEIA TAMBÉM Estudante cria vaquinha para doar respirador e equipamentos pra hospital de Curitiba

O novo fundo, que é gerenciado pela Fomento Paraná, foi criado por meio de um aporte de R$ 7,2 milhões do Fundo de Desenvolvimento Econômico (FDE). A nova modalidade de garantia pode alavancar até 20 vezes o patrimônio líquido em operações de crédito contratadas pela Fomento Paraná e pelo BRDE – Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul.

Segundo o governo do estado, 30% do patrimônio do fundo deverá ser aplicado em garantidas para micro empresas, que tem faturamento anual de até R$ 360 mil. O restante será oferecido para pequenas empresas, com faturamento de até R$ 4,8 milhões anual.

Dificuldade na obtenção de garantias

Para aliviar a crise provocada pelo coronavírus, a Fomento Paraná anunciou em março que iria disponibilizar R$ 464 milhões pelo programa Paraná Recupera. O estado recebeu diversos pedidos de crédito, mas poucos empresários conseguiram a liberação do empréstimo.

Muitos dos empresários reclamaram da dificuldade na obtenção de garantias dos empréstimos, que sem conseguir o crédito se viram num beco sem saída no meio da crise. Para o diretor-presidente da Fomento Paraná, Heraldo Alves das Neves, o FAG/PR foi criado para ofertar de forma alternativa ou complementar às cartas de garantia fornecidas por sociedades de garantia de crédito (SGC) e pelo Fundo Garantidor para Investimentos (FGI) do BNDES.

A ferramenta também pretende dar agilidade ao processo de obtenção de crédito, já que as outras garantias exigem análise criteriosa e mais demorada. O FAG/PR deve cobrir áreas que os outros fundos garantidores não atuam, facilitando o acesso ao crédito em municípios onde a disponibilidade de aval de terceiros é limitada.