O Paraná deve receber mais 1,7 milhão de doses de vacinas contra a covid-19 no mês de março, imunizantes que fazem parte de uma nova remessa de 37 milhões de doses que será entregue pelos laboratórios fabricantes ao Ministério da Saúde. A notícia foi anunciada pelo secretário estadual de Saúde, Beto Preto, nesta sexta-feira (26), durante a divulgação das novas medidas restritivas adotadas pelo Paraná, neste que é o pior momento da pandemia no estado. Ainda segundo Preto, estas vacinas serão suficientes para imunizar cerca de 850 mil paranaenses, com a primeira e a segunda doses.

LEIA MAIS – Lockdown? Paraná “fecha tudo” com novas medidas contra 3ª onda da covid-19

“Temos uma informação, de ontem à tarde (quinta-feira, 25), que no mês de março, nós vamos receber 37 milhões de doses em todo Brasil. Teremos, então, no Paraná em torno de 1,7 milhão, como são duas doses para cada paciente, para cada paranaense, nós teremos aí em torno de 850 mil esquemas vacinais”, informou Beto Preto.

No entanto, de acordo com o secretário, o Paraná ainda demanda um grande volume de vacinas para conseguir imunizar, ao menos, os idosos do estado e as pessoas acima dos 60 anos.

LEIA AINDA – Volta às aulas presenciais é suspensa no Paraná enquanto durar nova quarentena

“Esses esquemas vacinais, mais uns 300 mil que já foram utilizados, nos remetem a um número que é muito importante. Nós precisamos de mais vacinas, temos um 1,8 milhão paranaenses com mais de 60 anos de idade e por isso, a cobrança, para que tenhamos mais acessos e assim, possamos com todos os insumos que nós temos, vacinar os paranaenses, que é a ordem do governador Ratinho Junior”, ressaltou, Preto.

389 mil vacinados

No Paraná, já foram aplicadas 389.549 doses de vacina, sendo que 96.130 paranaenses já receberam as duas doses de imunizante, de acordo com dados do último boletim epidemiológico estadual, divulgado na quinta-feira (25).

Atualmente o estado tem 94% dos leitos de UTIs SUS exclusivos para covid-19 ocupados,uma situação de grave crise sanitária, como alertou a Secretaria de Estado da Saúde (Sesa).