Cinco mil e quatrocentos focos do mosquito da dengue foram identificados em residências e estabelecimentos comerciais inspecionados no Paraná.

Segundo levantamento oficial, a maior parte dos criadouros com larvas do mosquito (43%) foi classificada como lixo ou outro tipo de material reciclável, como recipientes plásticos, copos descartáveis, garrafas pet, latas e demais objetos que acumulam água. Neste aspecto, o descarte adequado de materiais recicláveis aparece como uma das principais formar de prevenir a dengue.

Depósitos móveis – Outros locais que merecem atenção especial da população são os depósitos móveis, como vasos, pratos e frascos de plantas, além de bebedouros de animais.

Este tipo de criadouro representou 26% do total de focos encontrados pelas equipes municipais de saúde. Em seguida, vêm os depósitos ao nível do solo (tonéis, bacias e cisternas), com 13%; os pneus e câmaras de ar, com 8%; e os depósitos fixos (calhas, laje, ralos, sanitários em desuso), com 5%.

A orientação é para que a população dedique pelo menos 10 minutos por semana ao combate à dengue em sua casa. Cerca de 90% dos criadouros do mosquito estão dentro de casa ou no quintal.

Números – De agosto de 2013 até esta terça-feira (18), foram confirmados 1.140 casos de dengue no Paraná. Quatro deles apresentaram quadros clínicos mais graves e um morreu em decorrência da doença.

O boletim da dengue divulgado nesta terça-feira (18) aponta ainda um crescimento no número de casos notificados como suspeitos nos últimos dois meses. O número subiu de 571 notificações na primeira semana de janeiro para 1.251 na primeira semana de fevereiro.