O Paraná deve receber mais 368.050 doses de vacinas contra a covid-19 até a próxima sexta-feira (16). De acordo com a Secretaria Estadual da Saúde (Sesa), serão enviadas ao estado 225.250 doses de imunizantes da AstraZeneca/Fiocruz e 142.800 da CoronaVac/Butantan, na 13ª remessa do Ministério da Saúde.

LEIA MAIS – Paraná altera toque de recolher e outras medidas restritivas a partir desta quarta-feira

Com o novo lote, a vacinação dos grupos prioritários deve continuar no Paraná, com 225.453 primeiras doses (61% do total) e 109.139 segundas doses, fora a reserva técnica.

As doses da AstraZeneca estão divididas em 201.994 para idosos de 65 a 69 anos e 2.741 em idosos de 60 a 64 anos, ambas para a primeira dose. Estas doses são parte de um lote de 3.879.000 de vacinas Covishield, que será distribuído pelo Ministério da Saúde.

VIU ESSA? Vereador lamenta morte do pai e lembra que ele usava e defendia o kit covid

Já as doses do Butantan estão divididas em 8.103 para trabalhadores de saúde, 2.277 para forças de segurança pública e salvamento (incluindo as Forças Armadas) e 10.338 para idosos de 60 a 64 anos para a primeira dose; e 6.061 para trabalhadores de saúde e 103.078 para idosos de 65 a 69 anos para a segunda dose. Vacinas que integram um lote de 2.500.000 doses a ser distribuído para todo o país.

Pessoas com mais de 60 anos

O secretário estadual de Saúde, Beto Preto, destacou que a nova remessa de imunizantes dará um novo gás na vacinação de idosos com mais de 60 anos. São mais de 215 mil vacinas apenas para essa faixa etária.

LEIA AINDA – Ônibus continuam lotados em Curitiba na pandemia, aponta TCE

“Estamos correndo contra o tempo. A imunização rápida dos grupos de risco é a nossa principal meta. Esperamos manter um bom ritmo de recebimento e vacinar os primeiros 4,6 milhões de paranaenses o mais breve possível”, afirmou.

O Paraná já imunizou com a primeira dose 12,7% da população. Segundo o Vacinômetro, 1.335.241 pessoas já receberam as primeiras doses e 364.772 as segundas doses, o que representa 93,1% e 37% de eficácia na aplicação pelos municípios.