Os governos do Paraná, de São Paulo e do Rio de Janeiro trabalharão juntos na prevenção e no enfrentamento de desastres naturais. A cooperação foi firmada entre a Mineropar, o Departamento de Recursos Minerais (RJ) e o Instituto Geológico (SP) nesta quarta-feira (05), em São Paulo, durante o IV Seminário de Redução de Riscos de Desastres.

A integração dos órgãos estaduais de geologia vai permitir a troca de informações e a elaboração conjunta de pesquisas científicas, metodologias e termos de referência para contratação de serviços.

“Também faremos o encaminhamento ao governo federal das demandas e reivindicações dos estados, considerando as suas especificidades”, disse o diretor-presidente da Mineropar José Antonio Zem.

O IV Seminário de Redução de Riscos de Desastres aconteceu na sede da Secretaria do Meio Ambiente de São Paulo, com a apresentação e debates sobre experiências na área de mapeamento, gestão urbana e outros casos, no momento atual de enfrentamento das graves carências do Brasil na gestão de desastres.

Na avaliação do secretário da Indústria, Comércio e Assuntos do Mercosul, Ricardo Barros, o intercâmbio de informações, aliado ao trabalho conjunto na elaboração de metodologias, mapas e relatórios aprimora os quadros técnicos e as ações dos três institutos.

“Estamos falando de funcionários e técnicos com alto grau de competência. Esse termo de cooperação potencializa as ações de gestão dos desastres que afetam as populações em deslizamentos de encostas, avalanches de lama e detritos, enchentes, inundações e assoreamentos”, afirma.

Mobilização

Hoje o Paraná conta com um plano para mobilização da estrutura do Estado em caso de desastres naturais no Litoral. O documento contém o mapeamento das áreas de risco, informa os procedimentos que devem ser adotados pelos 29 órgãos envolvidos no atendimento de emergências e lista os recursos humanos e materiais disponíveis para situações do gênero.

O objetivo é garantir um atendimento ágil e capaz de minimizar prejuízos e o sofrimento da população. O Plano começou a ser elaborado em junho de 2011, após as fortes chuvas que atingiram o Litoral, deixando milhares de desabrigados.

Para confeccionar o documento, a Defesa Civil e a Mineropar fizeram um levantamento baseado em geoprocessamento das áreas que apresentam risco de deslizamentos e enchentes. Foram identificados 116 pontos vulneráveis e 47 mil pessoas residindo em áreas de risco na região litorânea.

Na prática, o trabalho começa com o Simepar, que emitirá um alerta para a Defesa Civil sempre que houver previsão de chuva forte na região. A Defesa Civil então comunicará prefeituras e secretarias de Estado, e convocará os integrantes do grupo de avaliação emergencial de risco para uma reunião.

O grupo será formado por técnicos do Simepar, Águas Paraná, Mineropar e Defesa Civil e terá a missão de avaliar a necessidade de desocupar as residências em áreas de risco, além de coordenar a parte logística da operação. O plano prevê que o grupo terá duas horas para mobilizar os recursos humanos e materiais disponíveis, que deverão estar na região afetada em até quatro horas.