Uma camiseta fabricada com algodão e plástico reciclado de garrafas pet pode ser a ponte de muitos paranaenses para o emprego. O programa Carência Zero, da Associação Brasileira da Indústria Têxtil (Abit), está formando parcerias com empresas de confecção de todo o Paraná para promover a venda destas camisetas. A renda obtida com a comercialização delas será investida na criação de novas cooperativas de costura e de reciclagem de materiais.

A responsável pelos projetos sociais da Abit, Paula Faria, explica que a diretriz do programa é oferecer capacitação e geração de empregos dentro da cadeia têxtil e de reciclagem. O projeto existe há um ano em São Paulo, onde várias lojas vendem as camisetas especiais produzidas pelas duas cooperativas localizadas naquele estado. "A idéia está crescendo. Quando as cooperativas no Paraná tiverem condição de fabricar confecções com qualidade, elas passarão a fazer a camiseta com algodão e plástico reciclado", afirma.

A expectativa da Abit é começar a investir na formação das cooperativas depois de quatro meses de vendas das camisetas. Toda a comercialização no Paraná será aplicada dentro do próprio Estado. Segundo Paula, as vendas começam depois da formatação de todo o processo de distribuição. As lojas que venderem a camiseta ficarão com uma pequena parte do valor do produto. O objetivo é estimular a permanência delas dentro do programa, que deve ser instalado primeiramente em Maringá. "Se o lojista retorna todo o dinheiro em um projeto desse, ele desiste a médio prazo. Quando uma margem de lucro é deixada, o projeto também passa a ser comercial, e isso é vantajoso pra todo mundo", aponta. O lançamento oficial do projeto acontece no evento de moda Paraná Fashion Winter, no final de março, em Curitiba. Em São Paulo, a camiseta é vendida por R$ 29,90. O preço para o mercado paranaense ainda está sendo estudado pela Abit. (JC)