O governador Roberto Requião anunciou nesta segunda-feira (25), durante a Operação Mãos Limpas, que as obras do Centro de Detenção e Ressocialização (CDR) de Cascavel ficam prontas até o final do mês, e que o de Francisco Beltrão já está praticamente concluído, aguardando apenas a instalação da rede de esgoto. ?Serão geradas cerca de 2 mil vagas no sistema paranaense. Estamos chamando os novos funcionários?, afirmou Requião. O secretário da Justiça e da Cidadania, desembargador Jair Ramos Braga, esclareceu que os novos CDRs são unidades de regime fechado, para detentos provisórios, condenados e em regime especial.

De acordo com o secretário, o Paraná possui, no sistema penitenciário, cerca de 9.500 internos, em 20 unidades, e, nas cadeias públicas, mais de 10 mil. ?Inauguradas as duas penitenciárias, vamos trazer todos aqueles presos já condenados que estão nas cadeias públicas para as penitenciárias. Vamos, também, alocar presos provisórios de Foz do Iguaçu e Cascavel e colocá-los em alas distintas dessas penitenciárias?, explicou Jair.

Investimento

O Centro de Detenção e Ressocialização de Francisco Beltrão, localizado na zona rural, é uma unidade prisional com capacidade para 960 presos, em regime fechado, para condenados e provisórios, possui 10 mil metros quadrados construídos, e teve investimento de R$ 12,6 milhões. O projeto arquitetônico tem os moldes de outras penitenciárias já inauguradas e em construção, e prevê áreas de convívio, salas de aula, assistência médica, orientação psicológica e assistente social, além de setor administrativo.

Com custo aproximado de R$ 10 milhões, o Centro de Cascavel também tem capacidade para 960 presos. O projeto prevê pátios de convivência, salas de aula e espaços para implantação de canteiros de trabalho, setor de saúde, assistência social, orientação religiosa e de programas de auto-ajuda. O Centro está localizado na BR-277, quilômetro 579,8, no bairro Centralito, próximo à Penitenciária Industrial de Cascavel (PIC), que hoje tem 342 presos.

Segundo a política da Secretaria da Justiça e da Cidadania, responsável pelo sistema penitenciário do Paraná, as novas unidades visam reduzir a superlotação carcerária nos distritos policiais e promover maiores chances de ressocialização do detento, que poderá cumprir pena próximo a sua região de origem e a seus familiares. Desde 2003, o Governo Estadual vem investindo, em média, R$ 111 milhões em obras no sistema penitenciário, o que representa a criação de cerca de 11 mil vagas.