A manifestação dos petroleiros em frente à Refinaria Presidente Getúlio Vargas (Repar), em Araucária, inicialmente programada para durar 24 horas, terminou somente nesta quarta-feira (17). O protesto começou na última segunda-feira, às 11h30 da noite, e deveria acabar já na terça-feira, conforme foi votado pelos trabalhadores em assembléia. Porém, vários ônibus que passavam pela região tiveram seu trajeto alterado, dificultando o piquete.

Segundo o Diretor Jurídico do Sindicato dos Petroleiros de Praná e Santa Catarina, Mario Dal Zot, os protestos tinham como princípio a conscientização da sociedade a respeito da utilização do petróleo nacional. Para ele, as licitações que estão sendo realizadas pela Agência Nacional de Petróleo prejudicam a distribuição e o controle do petróleo, não trazendo grandes vantagens para o Brasil. ” O custo que é pago por estes blocos é irrisório em comparação com a riqueza que temos lá em baixo”, afirmou.

Os funcionários que mantiveram o funcionamento da empresa entraram às 15h30 de segunda-feira e lá ficaram até a liberação nesta manhã. Eles só puderam sair por volta da 9h30.