Problemas nas duas plataformas de embarque e desembarque do ônibus biarticulado no terminal da Vila Oficinas, em Curitiba, está preocupando os usuários do transporte coletivo da região. O piso, feito de compensado, está podre e há vários buracos no chão. Alguns foram remendados com placas de metal, mas elas estão se soltando e oferecem riscos para os passageiros. Além disso, quando chove, o piso fica escorregadio.

As duas plataformas do terminal lembram uma colcha de retalhos. Vários pedaços de chapas de metal foram colocados para tampar os buracos. Algumas foram até improvisadas, em uma delas se lê Rua 24 Horas e outra indica o itinerário da linha Curitiba-Araucária. Mas o grande problema é que as placas não estão no mesmo nível do chão e algumas estão se soltando, podendo provocar quedas, sem contar que em cima delas não há o piso antiderrapante.

Segundo Jaqueline Lopes, 18 anos, ela já ficou sabendo de vários casos de pessoas que tiveram algum problema na plataforma devido aos buracos. "As pessoas sobem correndo para não perder o ônibus e não olham onde pisam. Acabam se desequilibrando", comenta. Já Lucilene da Silva, 32 anos, fala que costuma ver todos os dias gente escorregando nas chapas de metal. "A situação está vergonhosa", reclama.

Adilma Koloski não usa o terminal com muita freqüência e só reparou ontem nas chapas de metal soltas. "Algumas partes ficam mais levantadas do chão e as pessoas podem prender o pé ou até se cortar. Acho que se viesse aqui todo dia já tinha acontecido algo comigo", disse.

Maria Tereza Rodrigues de Souza, 24 anos, concorda e acha a situação perigosa, principalmente para os idosos e crianças. "Eles não têm muito equilíbrio e podem cair. Além disso a passagem é cara e teria dinheiro para resolver o problema", diz. Segundo ela vem observando, a situação precária das plataformas já dura pelo menos quatro meses.

Segundo informações da Gerência de Manutenção da Urbs, o problema já havia sido constatado e as obras de restauro começaram no último fim de semana. As plataformas foram divididas em lotes e o trabalho deve demorar mais cinco semanas para ser concluído porque só pode ser feito aos domingos, quando o fluxo de passageiros diminui. Para evitar que o compensado do chão apodreça, como o que ocorreu agora, ele vai ser substituído por um compensando naval. Além disso, a Prefeitura de Curitiba está fazendo uma licitação para a compra de materiais para trocar o piso de 78 estações-tubo que também estão com problemas. Quem tiver alguma reclamação pode ligar para o telefone 156. Elas ajudam a Prefeitura a estabelecer as prioridades.