Representantes sindicais da Administração dos Portos de Paranaguá e Antonina (Appa) fizeram a primeira reunião de trabalho com os Sindicatos dos Trabalhadores Portuários Avulsos (TPAs) de Itajaí. O objetivo da viagem foi averiguar as principais necessidades dos TPAs que tiveram suas casas atingidas pelos fenômenos climáticos que atingiram o Sul do país no mês passado.

Para auxiliar os trabalhadores do porto catarinense, a Appa instituiu por meio da Ordem de Serviço nº. 116/2008 o programa “Porto Solidário”, que criou um fundo fomentado por tarifas oriundas da movimentação dos navios que estão operando carga de Itajaí em Paranaguá. Parte da tarifa gerada por estas operações será revertida em cestas básicas e utilidades domésticas, que serão doadas aos TPAs de Itajaí.

Sâmar Razzak/ Appa
Anselmo José de Souza, presidente do Conselho de Autoridade Portuária de Itajaí

Para garantir o fluxo rápido da carga catarinense, além dos dois berços do Terminal de Contêineres de Paranaguá (TCP), outros dois berços do cais público também foram destinados à operação de contêineres, principal carga do terminal catarinense. A área primária também foi cedida para armazenagem de contêineres vazios.

De acordo com o presidente da Estiva e da Intersindical de Itajaí, Saul Airoso da Silva, o que torna a situação dos trabalhadores mais delicada é a dificuldade em saber quando eles conseguirão voltar ao trabalho. “Nosso porto tem três berços e dois caíram. Depois da dragagem de emergência para liberar o canal de acesso, apenas um berço funcionará. Isso significa que os TPAs ficarão com o volume de trabalho bem menor por um bom tempo”, disse.

O presidente do Conselho de Autoridade Portuária (CAP) Itajaí, Anselmo José de Souza, agradeceu ao Governo do Paraná pela ajuda prestada aos trabalhadores de Itajaí. “Esta Ordem de Serviço da Appa foi uma atitude que nos tocou profundamente. Ela serve como modelo de compreensão dos nossos problemas e torna o Porto de Paranaguá um porto irmão ao de Itajaí”, avaliou.

Donativos

A Intersindical de Itajaí está cadastrando os TPAs que precisam de ajuda. Os registros estão centralizados na sede da Estiva em Itajaí. Até agora foram cadastradas cerca de 500 famílias, somando duas mil pessoas. Ao todo, nas seis categorias de trabalho, existem quase mil TPAs em Itajaí.

As doações de alimentos, água mineral e roupas são encaminhadas à Estiva. De lá, cerca de 50 pessoas – entre funcionários dos Sindicatos e voluntários – realizam a distribuição dos donativos. “Aqueles que não conseguem vir ao Sindicato pegar as doações, nós vamos levar”, explicou do secretário da Estiva, Charles Alberto Passos.

Para tornar o processo de doações transparente, quem recebe a doação feita pela Intersindical assina um documento. O objetivo da medida é a elaboração de um relatório que será entregue à Defesa Civil especificando quem foi ajudado e o que recebeu.

Apesar de o cadastro dos atingidos pela chuva ainda não ter sido concluído, a necessidade principal dos TPAs e seus familiares neste momento é de colchões. Grande parte perdeu tudo o que tinha em casa e os colchões não podem ser reaproveitados.