Enquanto as prefeituras de Matinhos e Guaratuba mantêm a programação de retomada do Carnaval em 2022, o prefeito de Paranaguá, Marcelo Roque, anunciou o cancelamento dos festejos do Rei Momo na cidade mais antiga do Paraná. Apesar de os números de casos e mortes pelo coronavírus tenham diminuído substancialmente no estado e em todo o Brasil (clique aqui para ver o boletim atualizado) o mandatário da cidade prefere a cautela.

+ Leia mais: Com receio do ômicron, Curitiba pede que viajantes procurem Secretaria de Saúde

“Paranaguá não terá carnaval em 2022. Nosso retorno tem que ser gradual e responsável. O momento é de reflexão e cuidado. Vamos pedir a Deus para que tudo ocorra em paz nos próximos meses e a gente possa, em breve, se divertir com segurança”, disse o prefeito em seu perfil no Facebook. Em poucas horas a postagem tinha quase 2 mil comentários.

“Dá saudade mesmo (do Carnaval), mas é necessário. Não é o momento ainda! Não podemos jogar fora tanto tempo de trabalho trabalho imunização, de reclusão. Parabéns pela coragem! Decisão pensando no bem da população”, disse a seguidora Maria Plahtyn Torres. “Foi a melhor decisão que o senhor tomou como prefeito. Tem toda a minha admiração”, disse Maria Ramos, outra a comentar a postagem de Roque.

+ Veja essaNovo parque que será construído em Curitiba será oito vezes maior do que o Barigui

Poucos se manifestaram contrários à decisão. A seguidora Rafa Santos, por exemplo, também elogiou a medida, mas deixou um alerta. “Bela atitude, porém não vai mudar em nada liberar tudo os lugares lotados nas noites e só proibir o Carnaval, se for pra proibir então que seja tudo até pq essa variante não é brincadeira. Não adianta só o carnaval ser cancelado, o risco não é só nesse dia”.

Como fica no resto do Litoral?

carnaval, que é tradição no Litoral do Paraná, será retomado em 2022, pelo menos em alguns balneários. Guaratuba e Matinhos já confirmaram a programaçãoAntonina e Morretes ainda avaliam. Essa indefinição, ou falta de consenso, sobre a realização do evento, se deve ainda à pandemia de coronavírus.

+ Leia mais: Movimento na Rodoviária de Curitiba aumenta 60%; tem passagem pra Floripa por R$ 19,90

O sinal de alerta foi aceso com a nova explosão de casos da doença fora do país, especialmente na Europa. Há o temor de que a festa popular, foco tradicional de aglomerações, traga de volta o caos também por aqui.