A Urbanização de Curitiba S/A (Urbs), empresa municipal que gerencia o trânsito e o transporte coletivo na cidade, começou a venda nesta segunda-feira (7) do "cartão-raspadinha", novo modelo de cartão para o Estacionamento Regulamentado (EstaR). Os cartões antigos não serão mais vendidos, mas poderão ser usados até o dia 29 de fevereiro. A partir de 1º de março, apenas cartões-raspadinha serão aceitos nas áreas de EstaR.

No novo modelo, em vez de preencher tudo à caneta, o motorista só precisa escrever a placa do automóvel e raspar os campos correspondentes ao ano, mês, dia, hora e minuto do estacionamento. O aposentado Victor Pautel foi um dos primeiros motoristas a comprar o novo cartão, na manhã desta segunda-feira, na rua General Carneiro, ao lado do Mercado Municipal. "Ficou mais fácil e mais rápido preencher os dados, porque dá para raspar com uma chave, uma moeda, e até com a unha", disse.

O novo cartão traz impresso o preço, de R$ 1,00 por uma hora de estacionamento. "Isso inibe a ação de flanelinhas e dos atravessadores ilegais. A informação do preço é muito clara. Só vai pagar a mais quem quiser", afirma a diretora de trânsito da Urbs, Rosângela Battistella.

Blocos completos de cartões antigos, que não foram utilizados, poderão ser trocados pelos novos modelos durante o mês de março, do dia 3 ao dia 28, no setor de atendimento do EstaR, no bloco ferroviário da Estação Rodoferroviária de Curitiba (avenida Affonso Camargo, 330, Jardim Botânico). Os agentes do EstaR não farão a troca na rua.

O novo modelo será vendido nos 34 pontos de venda do EstaR. A Diretran vai ampliar essa rede nos próximos meses, para aumentar as opções dos motoristas.

O estacionamento rotativo de Curitiba é um dos mais baratos entre as capitais brasileiras. Em Belo Horizonte, por exemplo, o preço por hora é de R$ 2,30. Em São Paulo, o valor é R$ 1,80 por hora.

Na maioria das vagas de EstaR, é possível permanecer com o carro estacionado por um período de até duas horas, utilizando dois cartões, mas é importante prestar atenção nas placas indicativas do limite de horário, pois há locais específicos do Centro onde a permanência máxima é de uma hora, e quadras onde é proibido estacionar no período das 17h às 20h.