Desde ontem à noite, a Prefeitura de Curitiba está mantendo um plantão telefônico para evitar novas invasões de prédios e terrenos na cidade. O disque-invasão é gratuito, funciona 24h e atenderá até a próxima terça-feira. A intenção é coibir as ocupações dos sem-teto durante os feriados da Independência do Brasil e de Nossa Senhora da Luz dos Pinhais. As pessoas que quiserem denunciar invasões podem ligar para o 1532, da Guarda Municipal, ou o 156, do Sistema de Informações da Prefeitura. Serão oito equipes da Guarda Municipal para verificar as ocorrências.

SOS Caixa 2

A notícia da instalação do disque-invasão foi recebida com revolta pelo líder do Movimento Nacional de Luta pela Moradia (MNLM), em Curitiba, Anselmo Schwertner. Ele alfinetou dizendo que o serviço é coisa de quem não tem o que fazer e não se preocupa com o social. “A Prefeitura tem que fazer um “disque-SOS Povo de Curitiba? ou um “SOS Caixa 2?”, afirmou, destacando que cerca de sessenta sem-teto continuam na sede do Diretório Central de Estudantes (DCE) da Universidade Federal do Paraná (UFPR). “Vamos esgotar a negociações antes de ocupar nova área”, contou, dizendo ainda estar tendo sangramentos devido às agressões que sofreu no início da semana. (Lawrence Manoel)

Juiz determina reintegração

O juiz Rodrigo Morillos aceitou ontem o pedido de reintegração de posse da Fazenda Santa Maria, em Ortigueira, apresentado pelo dono da área, Mílton Vargas Prudêncio. O proprietário alega que a área é produtiva.

O Incra repassou uma avaliação sobre a fazenda ao juiz, que a julgou com informações insuficientes. Um oficial de Justiça notificará os sem-terra até segunda-feira.

Sem advogado e prevendo a decisão do juiz, os sem-terra não compareceram à audiência com o dono da fazenda, marcada para ontem. Admilson Rizzo, do MST, disse que as testemunhas levadas pelo proprietário mentiram e que a área é utilizada para tráfico de drogas.

A fazenda foi ocupada há uma semana por 220 famílias e agora tem cerca de trezentas. O MST informou que mais famílias estão para chegar no fim de semana para reforçar a ocupação.

Ministro elogia “tolerância tática”

O ministro da Justiça, Márcio Tomaz Bastos, classificou como “tolerância tática” o tratamento que a Secretária de Segurança Pública tem dispensando à questão agrária no Paraná. “É uma estratégia inteligente de tratar a questão, pois evita tragédias como a que aconteceu no passado, em Eldorado dos Carajás”, disse.

Segundo o secretário Luiz Fernando Delazari, o governo tem cumprido os mandados de reintegração de posse com diálogo e negociação. “Nosso principal objetivo é evitar o conflito no campo”, garantiu Delazari. “A reforma agrária no Paraná será realizada pelo governo federal. Enquanto isso, estamos trabalhando para manter a tranqüilidade”, declarou. Desde o início deste ano, a Secretaria da Segurança promoveu 22 desocupações, sendo quatro em áreas urbanas. “Todas de forma pacífica”, lembrou Delazari.