O homem que abusou de três mulheres durante um assalto a farmácia em Curitiba, no dia 26 de maio, saiu do sistema prisional fechado no final de março e passou a ser monitorado por tornozeleira eletrônica – dispositivo que ele rompeu menos de um mês depois de instalado. O assaltante, que foi novamente preso, faz parte da estatística que mostra que a cada cinco aparelhos colocados em presidiários com benefício de liberdade vigiada, um tira o monitoramento.

+Leia mais! Caixa libera auxílio emergencial para 2,6 milhões nesta quarta-feira. Veja quem tem direito!

A soma dos meses de março e abril aponta para 5 mil equipamentos instalados em pessoas no Paraná. No mesmo recorte de tempo, a quantidade de violações foi de 1.177. Tanto o número de novas tornozeleiras eletrônicas quanto o de rompimentos segue o mesmo padrão dos meses anteriores, considerando o período entre setembro e fevereiro.

Atualmente, o Departamento Penitenciário do Paraná (Depen-PR) monitora cerca de 10 mil aparelhos. As irregularidades mais comuns praticadas pelos presos são o descarregamento da bateria (mantê-la carregada faz parte das responsabilidades assumidas), com cerca de 9 mil situações por mês, e a saída do perímetro permitido, que chegam a 72 mil momentos por mês em que os presos extrapolam e circulam por áreas para além do que foi autorizado.

+Viu essa? Médico com coronavírus que atendeu pacientes na RMC é denunciado

Quando as regras deixam de ser seguidas, um alerta é emitido na central de monitoração do Depen-PR, que entra em contato com telefone com o preso. Quando o problema não é resolvido ou não há resposta, as autoridades policiais são comunicadas sobre a necessidade de capturar a pessoa e devolvê-la ao regime fechado.


A Tribuna precisa do seu apoio! 🤝

Neste cenário de pandemia por covid-19, nós intensificamos ainda mais a produção de conteúdo para garantir que você receba informações úteis e reportagens positivas, que tragam um pouco de luz em meio à crise.

Porém, o momento também trouxe queda de receitas para o nosso jornal, por isso contamos com sua ajuda para continuarmos este trabalho e construirmos juntos uma sociedade melhor. Bora ajudar?