A BR-153 (Rodovia Transbrasiliana), no trecho Ibaiti-Santo Antônio da Platina, foi reaberta ontem. Há dez dias, no quilômetro 97, no município de Japira, o movimento Pró-Vida na BR-153 colocou duzentas toneladas de terra na pista, obstruindo o tráfego. Ontem à tarde, num ato público que envolveu a participação de vários moradores da região, políticos membros da Associação dos Municípios do Norte Pioneiro e do bispo da diocese de Jacarezinho, dom Fernando José Penteado, o grupo retirou a terra e deu um ultimato ao Departamento Nacional de Infra-Estrutura de Transportes (DNIT), órgão que substituiu o antigo Departamento Nacional de Estradas de Rodagem (DNER). Eles querem o recapeamento total do trecho, de 58 km.

Segundo o prefeito de Ibaiti, Roque Fadel (PTB), a má conservação da estrada “vem ceifando centenas de vidas durante os anos.” Fadel disse que todos os prefeitos da região estão unidos e podem até assumir o controle da estrada caso o problema não seja resolvido em breve. “Vamos deixar a estrada aberta por dez dias. Caso o DNIT não resolva, vamos assumir a estrada e cobrar um pedágio de R$2,00 por qualquer veículo, carro, caminhão, moto”, afirmou Fadel, destacando que com esse dinheiro será possível realizar as obras necessárias na Transbrasiliana.

Segundo a assessoria de comunicação do DNIT, na última semana foi autorizada a contratação de uma empresa em regime de urgência para realizar uma operação tapa-buracos na estrada. Essa operação deve acontecer nos próximos dias e custar R$150 mil. Quanto à recapagem total da BR-153, o DNIT afirmou que já tem o projeto de engenharia, que a licitação para contratação da empresa que vai realizar a obra já foi autorizada, e deve começar em três meses. Segundo a assessoria de comunicação do DNIT, além da péssima conservação da estrada, o excesso de velocidade contribui para o elevado número de acidentes no local.