A Prefeitura concluiu às 10h30 desta terça-feira (27) a retirada de uma árvore que havia caído durante a madrugada sobre a rua Carlos Cavalcanti, ao lado do Passeio Público, na área central da cidade. A operação mobilizou equipes da Secretaria Municipal do Meio Ambiente e 20 agentes da Diretran que passaram a manhã controlando o trânsito das imediações.

A árvore ? uma grevilha, de grande porte, com cerca de 20 metros de altura e 2,5 metros de diâmetro no caule ? tinha mais de 40 anos e, embora apresentasse bom aspecto fito-sanitário, estava com seu sistema radicular comprometido. ?As raízes apodreceram em função do excesso de umidade do solo da região e não agüentaram mais sustentar o peso da árvore?, explica o diretor do Departamento de Produção Vegetal da Secretaria Municipal do Meio Ambiente, Edélcio Marques dos Reis.

A operação de retirada foi iniciada às 8 horas, mas desde as 5 horas a Diretran estava no local, para coordenar o trânsito ficou prejudicado nas imediações. A rua Carlos Cavalcanti ficou totalmente bloqueada e formaram-se congestionamentos nas ruas próximas. A Diretran desviou o fluxo de veículos da Conselheiro Araújo para as ruas Tibagi e Luiz Leão, mas o problema maior foi verificado na Mariano Torres, que ficou congestionada desde a rua Brasílio Itiberê.

Registro ? Para retirar a árvore do local foi necessário o uso de caminhão munk, devido ao peso da árvore, que tombou inteira sobre a rua. O material recolhido teve destinos diferentes: os galhos e folhas foram encaminhados para o Depósito de Resíduos Vegetais do Parque Iguaçu. Lá, eles serão triturados e aproveitados como composto orgânico. Já o tronco foi para o Horto Municipal e poderá ser utilizado como madeira.

De acordo com Edélsio Marques dos Reis, a grevilha não é uma espécie usada na arborização viária em função de seu grande porte. Não há, na Secretaria do Meio Ambiente, registro do plantio da árvore que caiu e, por isso, a hipótese mais provável é que ela seja remanescente de algum terreno antigo e tenha sobrevivido à construção dos prédios no local. Ela não apresentava fissuras, danos físicos ou mecânicos e tinha um aspecto saudável. ?A olho nu não havia nada que fizesse supor que ela estava com problemas?, disse o diretor.
Como a queda se deu de madrugada, não houve prejuízos materiais, pois a árvore não atingiu nenhum veículo ou objeto. Não está prevista a reposição de outra espécie no mesmo local. (ACN)