O curitibano não tem o hábito de dar carona e costuma andar sozinho de carro. Essa foi a primeira conclusão da pesquisa de ocupação veicular organizada pelo projeto Ciclovida, do Núcleo de Psicologia Semana do Trânsito da Universidade Federal do Paraná (UFPR). A pesquisa faz parte das atividades da Semana do Trânsito, coordenada pela Prefeitura de Curitiba, e realizada na manhã de ontem, na entrada dos estacionamentos do Centro Politécnico e do campus Jardim Botânico.

Os dados totais ainda não foram contabilizados, mas apenas no período de duas horas, das 7h às 9h, em uma das portarias do Politécnico, foram verificados 600 veículos. Em 421 deles havia apenas uma pessoa, ou seja, a cada dez carros, sete são usados por apenas um ocupante. Segundo o coordenador do Ciclovida, professor José Carlos Belotto, a segunda etapa do projeto será a carona solidária. Será feito cadastramento de alunos que precisam ou que podem dar carona, com endereços e horários. Os dados serão cruzados pelo computador, e os alunos serão incentivados a conversar e combinar revezamentos. ?É uma iniciativa inédita, que tem tudo para dar certo porque incentiva a economia e a integração social entre os alunos, além de fazer muito bem para o meio ambiente?, afirma o professor.

Bicicleta

Além da carona solidária, o projeto também incentiva meios de transporte que não causam poluição: usar a bicicleta ou andar a pé. Na pesquisa constatou-se que por conta do frio e da garoa, apenas nove alunos foram ao Politécnico de bicicleta. Os hábitos dos motoristas também são objeto de pesquisa organizada pela Prefeitura que está sendo aplicada aos funcionários de 25 empresas de grande porte da cidade. Os resultados serão tabulados ao longo das próximas semanas e vão revelar o perfil completo de quem dirige na cidade, desde a prática da carona até a reação do motorista às ofensas no trânsito.