Uma pesquisa realizada pela Tecnofit, startup especializada em gestão de negócios fitness, apontou que o índice de contaminação pelo coronavírus nos espaços dedicados a saúde física no Paraná foi de 4%, número semelhante em outros estados brasileiros. O estudo contou com a participação de 412 academias no Brasil, questionando aos gestores se houve relato de alunos ou colaboradores que foram contaminados para covid-19.

+Viu essa? Polícia estoura bingo clandestino e encontra 120 idosos jogando em Curitiba

No Paraná, foram 50 academias com seus 14,5 mil alunos. A pesquisa foi realizada por meio de formulário, consultando os proprietários de academias, centros de treinamento de crossfit, artes marciais, espaços de treinamento funcional, cross training e estúdios de pilates, yoga, pole dance e dança. Antonio Maganhotte Junior, CEO da Tecnofit, reforça que os cuidados com a doença precisam seguir apesar do número de contaminados ser considerada baixo.

“Precisamos manter o distanciamento, a higienização, o uso de máscaras, o número reduzido de alunos e todos os protocolos de segurança contra o coronavírus. Com tudo isso mantido, as academias, centros de treinamento, box de crossfit e demais negócios fitness tornam-se locais com grande margem de segurança para os frequentadores”, disse Maganhotte.

+ Leia mais: Secretária de Curitiba reúne representantes da sociedade para discutir real situação da pandemia

Ainda de acordo com a pesquisa nacional, entre todos os espaços entrevistados, 36% não tiveram nenhum caso de aluno contaminado e 64% relatou ter havido contaminação de ao menos um aluno ativo. No entanto, dos negócios que tiveram casos de alunos contaminados, mais de 80% afirmaram que o número foi inferior a 10 alunos.  “Está mais do que comprovado que a prática de atividades físicas é um fator importante na prevenção de complicações em casos de contaminações, além de também auxiliar na saúde mental, que está sendo colocada à prova nesses momentos de isolamento social.”, relatou Maganhotte.