Moradores e comerciantes de Pinhais bloquearam, no final da manhã de ontem, o cruzamento das ruas Camilo de Lelis e Leopoldo Jacomel (conhecida como Rodovia do Encanamento), um dos principais acesos ao município. Eles protestaram contra o grande número de acidentes ocorridos no local.

Queimando pneus, entoando gritos e carregando faixas, os manifestantes cobravam providências por parte das autoridades municipais e estaduais, já que o cruzamento é um dos locais mais perigosos do município. Um dos organizadores do protesto, o médico Márcio Alves Barbosa, proprietário de uma clínica na esquina das duas ruas, contou que nos últimos quinze dias houve duas mortes por atropelamento no local. ?Está cheio de radares por aí que só servem para multar os motoristas. Aqui, que precisa de um redutor de velocidade, não há nenhum aparelho?, comentou. A reivindicação da população é a instalação de um redutor de velocidade e de um sinal para pedestre. ?O ideal seria um viaduto, mas a sinalização é emergencial?, comentou Barbosa.

Entre os manifestantes estava Lara Cristina Saraiva, esposa de Juri de Lima, que morreu atropelado no último dia 12. Com os filhos Caio, de 5 anos, e Kauana, de 7, ela comandava os gritos de protesto. ?Quantas pessoas vão precisar morrer para que alguma providência seja tomada??, questionou.

Morador da região há 30 anos, Estanislau Zanetti conta que todos os dias ocorre ao menos um acidente no local. Ele disse que os moradores já procuraram a Prefeitura, fizeram manifestações apenas com faixas, mas nada foi feito. Por isso, decidiram bloquear o cruzamento. ?O pessoal aqui gosta de sentir cheiro de pneu queimado para depois ter alguma atitute?, ironizou.

Autoridades

A Prefeitura de Pinhais, através de um funcionário, disse que não é possível tomar nenhuma atitude no local, já que se trata da PR-415. No Departamento de Estradas de Rodagem (DER), a informação é de que não foi protocolado nenhum pedido através de uma solicitação formal pelas lideranças locais. De antemão, o órgão garantiu que, uma vez registrado o protocolo, será feito um estudo técnico da viabilidade da colocação de lombadas de redução de velocidade no local.