As ruas de Curitiba estão recebendo novos radares. Atualmente, os equipamentos funcionam em 69 pontos da cidade e serão ampliados para 110 locais. A diferença entre os novos aparelhos e os que estão em uso é que os equipamentos agora poderão monitorar a frota circulante, auxiliar no gerenciamento do tráfego das ruas da cidade e até identificar veículos que tenham irregularidades junto ao Detran e à Polícia Militar. Essa última função depende ainda de um convênio a ser assinado pela Diretran.

Os equipamentos só começam a funcionar depois que as vias estiverem sinalizadas e o Inmetro tiver feito a aferição dos aparelhos. Quando todos os radares estiverem instalados, a cidade terá a estrutura necessária para a colocação de câmeras em 210 locais. “Mas eles vão funcionar em forma de rodízio em 110 endereços e todos eles estarão sinalizados”, garantiu o diretor da Diretran, Carlos Alexandre Negrini Bettes.

Energia

Embora os aparelhos não estejam mais utilizando os postes da Copel, a energia é fornecida pela empresa. A cobrança é feita baseada numa estimativa de gasto calculada pela potência do radar. Mensalmente os radares podem consumir entre 50 e 58 KW/h. A taxa cobrada varia entre R$ 16,61 e R$ 20,19.