O governador Ratinho Jr agradeceu o sacrifício de toda a população no esforço de conter o coronavírus no Paraná. Em entrevista o jornal Meio-Dia Paraná, da RPC, nesta quinta-feira (9), o governador agradeceu em especial os comerciantes que estão com seus estabelecimentos fechados em 141 cidades desde 1.º de julho pelo novo decreto do estado para conter a transmissão de covid-19.

“Peço desculpas para quem foi afetado por uma medida mais dura, mas é a nossa missão de cuidar”, enfatizou Ratinho Jr na entrevista, em que ressaltou a importância de se manter todas as medidas de prevenção da doença, em especial o uso de máscara. “Esta pandemia não é só econômica, e sim uma crise de uma consciência coletiva”, reforça.

VIU ESSA? – Paraná deve ser último estado a sair da pandemia e isso pode ser bom. Entenda!

O governador também afirmou que a volta às aulas segue sem data e admite que a sucessão de decretos do estado e dos municípios para tentar conter o coronavírus confunde a população. Veja abaixo os principais trechos da entrevista.

Agradecimento à população

“Gratidão pela paciência, pois é muito difícil para um comerciante ficar fechado, pessoas ficarem em casa. Sofremos juntos. A nossa função é preservar vidas e ter um planejamento de recuperação. O mundo não entendeu até agora essa pandemia. Não sou professor de Deus, mas com as críticas a gente consegue achar o meio termo. Peço desculpas para quem foi afetado por uma medida mais dura, mas é a nossa missão de cuidar.”

Tudo ao mesmo tempo

“UTIs foram criadas, buscamos equipes e insumo. É uma operação de guerra para suprir a demanda e entender o vírus. E ainda tivemos neste período casos de dengue, crise hídrica, economia caindo e não paramos nada. Tivemos 5 mil postes caindo com o ciclone bomba. Até gafanhoto estava vindo para cá. É um volume grande em um espaço pequeno de tempo”.

Confusão de decretos

“Confundem sim as medidas. Decreto tem força em cima do outro e criou o samba do crioulo doido. Neste quatro meses, tentamos construir uma sinergia com os prefeitos.”

Comércio fechado

“O comercio está prejudicado [com a determinação de fechar por decreto em 141 cidades]. É uma decisão dura para tomar. Eu tenho amigos comerciantes que vivem daquilo”.

Isolamento social

“O grande remédio do coronavírus é o isolamento social. Enquanto não tiver vacina ou remédio, teremos que conviver com o isolamento. A média de isolamento está em 37%, mas o ideal seria 52%. O decreto foi feito, mas poderíamos ter melhor resultado se houvesse melhor compreensão das pessoas em ficar em casa.”

Restrições

“Importante registar que o Paraná não decretou quarentena. Pontualmente tivemos restrição em alguns pontos e respeitamos a autoridade dos prefeitos. Equilibramos saúde com economia. A ideia foi fazer esta restrição devido ao inverno e estamos vendo isto nos outros estados irmãos. O Paraná faz fronteira com o epicentro, que é São Paulo, e algumas pessoas acabam importando este vírus. Até então estamos conseguindo equilibrar e salvando vidas.”

Extensão das restrições

“A quarentena pode ser ampliada se a Secretaria de Saúde assim entender – amanhã completa 10 dias e o que vai definir isso são os números. Este estudo vai avaliar se irão seguir as medidas restritivas. Se analisarmos os números, eles são precisos. Projeção do domingo passado era para estarmos com 44 mil infectados e chegamos a 35 mil . O isolamento social ajuda a diminuir.”

LEIA MAIS – Coronavírus chegou de forma “avassaladora” e Curitiba pode dobrar casos em uma semana

Uso de máscara

“É duro ter de colocar a polícia para as pessoas usarem máscara. Não quero chegar a este ponto. Se não houver o respeito ao próximo, o estado precisa trabalhar para as pessoas decentes. Quem não usa máscara está colocando em risco o outro ser humano. Esta pandemia não é só econômica, e sim uma crise de uma consciência coletiva.”

Testagem

“Desde o inicio da pandemia, o Paraná é o estado que mais testa pacientes .São 3.500 testes diários. 300 mil testes rápidos foram colocados à disposição. Fizemos 130 mil testes gold e queremos fazer mais. O problema são os insumos, mas estamos já comprando.”

Comparação com Santa Catarina

“Não posso julgar outros estados. Mas se trabalharmos com números, somos 11 milhões de pessoas e eles 7 milhões [em SC]. Temos o mesmo número de infectados e acredito que a gente tenha feito mais testes. Proporcionalmente, estamos em uma situação mais adequada. Outro ponto é a fronteira com São Paulo. Temos mais risco e até aqui não deixamos faltar nada e não abrimos cova coletiva como em outros lugares.

Fake news na educação

“Não consigo acreditar que pessoas postam mentira [sobre a fake news que as aulas da rede estadual voltariam dia 17 de agosto]. Eu seria louco retornar as aulas no dia 17 de Agosto. Estamos há quatro meses que crianças estão tendo aulas pela internet para aprender. Tem gente que gasta energia em fake news e nós temos que desmentir. É triste. Tem 1% de pessoas que fazem maldade.”

Volta às aulas

“Falar uma data da volta às aulas seria falsidade. Montamos um comitê de avaliação e confesso que antes de setembro acho difícil. Estamos dando um amparo para os alunos da escola pública. Estamos pagando internet para famílias carentes com 3G. Não serei irresponsável em voltar as aulas [sem segurança]. Estamos construindo esta forma de retorno das aulas.”

Dinheiro federal

“Foi aprovado [empréstimo do governo federal] para o caixa do estado, para suportar os primeiros 90 dias da pandemia. O rombo do estado é de R$ 3 bilhões e estamos fazendo cortes. Precisamos frear este rombo para honrar os vencimentos e manter as obras. O estado precisa rodar e por isso a construção civil é muito importante, pois gera muito emprego, construção de escolas, pavimentação para trincheiras, viadutos, urbanização, tendo oxigênio para respirar.”

Risco de pegar covid-19

“A gente se preocupa mais com o relacionamento com os filhos do que com a gente mesmo. Sou tranquilo, mas o vírus é muito louco, muito forte. Alguns casos são agressivos. Então preocupa sim, mas, se pegar, tem que torcer que ocorra tudo bem.”


A Tribuna precisa do seu apoio! 🤝

Neste cenário de pandemia por covid-19, nós intensificamos ainda mais a produção de conteúdo para garantir que você receba informações úteis e reportagens positivas, que tragam um pouco de luz em meio à crise.

Porém, o momento também trouxe queda de receitas para o nosso jornal, por isso contamos com sua ajuda para continuarmos este trabalho e construirmos juntos uma sociedade melhor. Bora ajudar?