Foi aprovado ontem o relatório final da Conferência Estadual do Trabalho, elaborado por representantes de cerca de 600 entidades de trabalhadores e empresariais do Paraná. De Curitiba, o documento segue para Brasília, onde deverá se juntar aos relatórios elaborados pelos demais Estados. Em meados de outubro e novembro acontece o Fórum Nacional do Trabalho, de onde deve sair um documento único que será encaminhado ao Congresso Nacional.

De acordo com o delegado regional do Trabalho no Paraná, Geraldo Serathiuk, existe uma grande expectativa de que as propostas venham a ser acatadas pelo governo federal, uma vez que foi ele próprio quem convocou o Fórum. “A política econômica que até então era feita só pelo Ministro da Fazenda agora está sendo elaborada também pelos movimentos sindicais”, comentou.

Entre as propostas que tiveram consenso entre trabalhadores e empresários, o delegado destacou a necessidade de fortalecer os movimentos sindicais. “O modelo sindical atual é enfraquecido, pulverizado. São mais de 18 mil sindicatos no país. Por isso, discute-se o estatuto sindical, o controle, inclusive de recursos, que não são públicos, mas do público”, falou. “Se há Lei de Responsabilidade Fiscal para os municípios, também tem que haver para o gestor sindical.”