De um lado, desmoronamentos de terra e inundações. De outro, total operação dos reservatórios de abastecimento de água. Por causa das constantes chuvas dos últimos dias, a quantidade de água nos reservatórios da Companhia de Saneamento do Paraná (Sanepar) na região de Curitiba já chega a ser até três vezes mais do que o necessário.

Todos os reservatórios estão cheios, com água transbordando até 30 centímetros por cima dos vertedouros. “O volume necessário para produção do sistema é de pouco mais de 5 mil litros por segundo, por exemplo, no manancial da parte leste, e temos 12 mil só pelos vertedouros das barragens. Não temos mais o que segurar, já está passando por cima das barragens”, afirma o gerente de produção da Sanepar para Curitiba e região metropolitana, Paulo Raffo.

Ou seja, está sobrando água para o sistema. “Só o que está extravasando é mais de três vezes o que precisamos, fora a contribuição dos próprios rios, porque os reservatórios são abertos somente quando começa a faltar água do rio”, explica o técnico.

Se continuar a chover muito, pode haver novas inundações na parte mais baixa, como Pinhais e São José dos Pinhais, porque os rios não têm mais como escoar água, alerta a Sanepar.

Itaipu

Em Itaipu, o vertedouro, aberto desde outubro, deve permanecer assim até março, por conta das previsões de mais chuva daqui para a frente, num dos maiores períodos de abertura do vertedouro já verificados na história da usina, conforme destacam os técnicos da binacional. Com o acúmulo de água, menos da metade do que chega ao reservatório é usada para produzir energia.

Apesar de não alterar a operação de Itaipu, a binacional informou que o nível do Rio Paraná vai continuar subindo, segundo o boletim de alerta hidrológico da usina.

No Paraguai, continua crítica a situação das mais de 70 casas atingidas pela recente cheia do rio, no bairro San Rafael. Do lado brasileiro, a água avança no Porto Meira, em Foz do Iguaçu, mas sem grandes preocupações, por enquanto, já que não há moradias às margens do rio.

Ontem, a vazão do Rio Paraná, a partir da confluência com o Iguaçu, estava em mais de 23 mil metros cúbicos de água por segundo e de cerca de 3 mil no Rio Iguaçu, volume considerado alto, que provoca enchentes no encontro entre os dois rios.