O setor de restaurantes e lanchonetes do Paraná já deixou de faturar R$ 336 milhões durante as cinco semanas de medidas de isolamento social impostas pelo governo do estado e por prefeituras paranaenses para conter a disseminação do coronavírus. As empresas de vestuário já perderam R$ 477 milhões e o setor automotivo, R$ 892 milhões. Os dados constam no primeiro boletim de conjuntura econômica sobre os impactos da Covid-19 divulgado nesta quinta-feira (16) pelas secretarias de Planejamento e Fazenda do governo do estado.

O estudo indica, por exemplo, que 21 mil estabelecimentos do Simples Nacional e 4,5 mil do Regime Normal estavam fechados no dia 9 de abril. Os dados foram apurados a partir da amostra de emissão de documento fiscal em cinco cidades do Paraná: Curitiba, Londrina, Maringá, Cascavel e Foz do Iguaçu.

LEIA TAMBÉMComércio reabre em Curitiba, mas muitos lojistas mantém as portas fechadas na pandemia

No comparativo entre a primeira semana de março e a primeira de abril, houve redução na quantidade de estabelecimentos que emitiram esses documentos fiscais. No comércio varejista, a queda foi de 34%; na indústria, de 30%; e no comércio atacadista, 22%.

O relatório também aponta redução média de R$ 56 milhões no recolhimento de ICMS, principalmete no setor de combustíveis, por semana desde o começo de março, quando foram ampliadas as orientações para evitar aglomerações para conter a disseminação do novo coronavírus.

Restaurantes e lanchonetes

O setor de restaurantes e lanchonetes faturou, segundo a Secretaria da Fazenda, R$ 117 milhões, na última semana antes do início das medidas de isolamento. Nas cinco semanas seguintes, foi registrando quedas, que chegaram a um faturamento de apenas R$ 24 milhões entre 23 e 29 de março. Na última semana, o valor arrecadado foi de R$ 29 milhões – 75% a menos que o arrecadado antes da pandemia. A perda acumulada nas cinco semanas foi de R$ 336 milhões, o que corresponde a 57,4%.