Estudo da Associação Brasileira da Indústria de Águas Minerais (Abinam) mostra que o filme plástico usado para cobrir os garrafões retornáveis de 20 litros não trazem nenhum tipo de proteção ao produto e podem até ser fonte de contaminação. As duas principais empresas de água mineral da Grande Curitiba, a Ouro Fino e AB Mineral, há dois meses deixaram de usar o material.

A Abinam verificou que o hábito de usar o revestimento externo nos garrafões era quase exclusivo do Paraná. Resolveu pedir então a sua assessoria científica uma opinião sobre o assunto. A análise foi feita pela farmacêutica bioquímica sanitarista Petra Sanchesz, que recomendou aos engarrafadores a deixar de usar o material.

O parecer aponta que o plástico usado para envolver o garrafão apresenta carga eletrostática que atrai poeira e contaminantes. Além disso, o material propicia a retenção de água entre a película do plástico e a parede do garrafão, causando o desenvolvimento excessivo de fungos e bactérias. Desse modo a água pode ser contaminada por esporos de fungos e bactérias caso eles entrem em contato com o produto. Mas, além dos riscos de contaminação, o plástico também pode esconder problemas como bolhas de ar, amassados e ranhuras, que comprometem a limpeza e a assepsia das embalagens.

O diretor da AB Mineral, Carlos dos Reis, conta que a empresa já deixou de usar o material seguindo as recomendações da Abinam. Ele diz que são tomados todos os cuidados no envase e não havia por que arriscar com o uso de plástico.

Carlos explica que quando os garrafões retornáveis chegam à empresa eles passam por um processo de sanitarização. São inspecionados um a um, quando é verificado se não estão com cheiro, amassados ou riscados. Depois, passam por um processo de lavagem manual e outro mecânico com alta pressão. Em seguida, ocorre o processo de lavagem com uma solução de soda caustica. Só aí, seguem para uma sala asséptica onde são usados para o envase da água.

Cuidados

Carlos recomenda que o consumidor evite comprar garrafões que tenham o revestimento. Mas ele também comenta que a população deve tomar alguns cuidados na hora usar o produto. Antes de o garrafão ser colocado no bebedouro deve passar por uma limpeza com bicarbonato de sódio. Não são recomendáveis álcool nem detergente. Além disso, a torneira deve ser trocada uma vez ao ano e as borrachas que fazem a vedação a cada seis meses, mas caso apresentarem viscosidade a troca deve ser imediata.

A empresa também orienta as distribuidoras quanto ao armazenamento do produto e que o consumidor deve ficar de olho se as recomendações estão sendo seguidas. Para manter a qualidade da água, ela não deve ficar exposta à luz e ao calor, nem próxima a botijões de gás e outras substâncias com odores fortes, já que o garrafão pode absorver o cheiro. As recomendações também valem para o acondicionamento doméstico.