Foto: Evandro Monteiro/O Estado

Prefeitura busca parceiro privado para revitalizar o local.

Comerciantes da Rua 24 Horas reclamam do estado de abandono do local. Outrora um dos pontos turísticos mais visitados de Curitiba, hoje praticamente metade das lojas estão fechadas e os problemas, principalmente na infra-estrutura, vão afastando cada vez mais os clientes. ?Em dia de chuva, a gente precisa pedir para os fregueses sentados levantarem as pernas para poder passar o rodo embaixo das mesas?, conta a balconista Inês Vincentin, que trabalha no local há cinco anos.

Inaugurada em 1991, a estrutura da rua é semelhante às encontradas na Ópera de Arame e no Jardim Botânico, criados em épocas semelhantes. ?O movimento caiu muito desde os tempos de bom movimento aqui. Imagino que tenha sido por volta dos 90%?, calcula o garçom Francisco Rodrigues, que há 14 anos serve mesas na Rua 24 Horas. ?Muitas lojas já estão fechadas. A maioria que continua está inadimplente. Isso aqui foi abandonado pela Prefeitura?, reclama.

Para Regina Balazim, proprietária de uma loja há 10 anos no local, trata-se de um ícone turístico da cidade que tem seu poder de atração subestimado pela administração pública. ?Estamos no meio de um pólo hoteleiro e mesmo assim não atraímos clientes. As pessoas de fora da cidade vêm aqui e percebem que a Rua está abandonada. Vai desde a cobertura até o banheiro. E é essa impressão que elas levam para outros lugares?, diz.

Revitalização

A Rua é de responsabilidade da Urbs e, segundo seu diretor administrativo e financeiro, Ricardo Smijtink, o órgão faz esforços para que a situação se reverta até o Natal. ?Tivemos problemas no processo licitatório e muitos lojistas que ali estavam não pagaram. O problema foi parar na Justiça e só conseguimos reaver os pontos recentemente?, afirma. Para o diretor, o problema do baixo movimento é reflexo da pouca procura das pessoas ao Centro da cidade como um todo. Mas ele diz que a Prefeitura iniciou estudos para aproveitar o potencial turístico da Rua ao qual Regina se refere. ?Vamos procurar um parceiro da iniciativa privada para que possamos fazer a revitalização que a Rua precisa.?