O Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) Regional Oeste, que abrange 43 municípios da região de Cascavel e Toledo, já realizou 6.209 atendimentos desde que entrou em funcionamento, em novembro de 2013. São 23 ambulâncias, sendo cinco UTIs móveis, distribuídas em 16 cidades da região. A população atendida pelo serviço ultrapassa 800 mil habitantes.

De acordo com o coordenador médico, Rodrigo Santa Cruz, o Samu tem sido fundamental para o atendimento de pessoas com risco de morte. “Anteriormente o serviço só operava dentro do município de Cascavel e as outras 42 cidades utilizavam outros meios de transporte, muitas vezes improvisados, para fazer o atendimento de urgência e emergência. Com a implantação do Samu a população dispõe de um serviço técnico, especializado e muito bem organizado”, explica o médico. Em breve, o Samu Oeste contará também com transporte aeromédico.

Neste momento, os serviços estão sendo custeados pelo Consórcio Intermunicipal Samu Oeste (ConSamu) até a habilitação junto ao Ministério da Saúde. Como isso, o serviço ainda vai contar com os recursos de custeio do governo estadual e do governo federal. O Estado já programou o repasse de R$ 310 mil mensais na primeira etapa. Assim que houver a qualificação dos serviços em uma segunda fase, serão R$ 401,5 mil mensais.

“Assim que a portaria for publicada, o Governo do Paraná custeará 50% dos serviços da central de regulação e das UTIs móveis do Samu, além do custeio integral do transporte aeromédico”, explica o diretor da Rede Paraná Urgência, Vinicius Filipak. O Governo também repassou R$ 200 mil para a ampliação da central de regulação médica em Cascavel.

Antes de entrar em funcionamento, os 300 funcionários contratados pelo Samu Oeste passaram por intenso treinamento direcionado ao atendimento dos casos de urgência. “Mostramos como funciona a Rede Paraná Urgência, quais são as portas de entrada hospitalares e qual é a conduta que deve ser adotada em cada chamado”, destaca Filipak.

Regionalização

Desde 2011, o Governo do Estado reforçou a estrutura do Samu. Hoje, as nove unidades regionais garantem atendimento a 80% da população paranaense. O serviço de emergência já está presente em 289 municípios paranaense. Em 2010, o Samu atuava em apenas 15 municípios, sendo a maioria na Região Metropolitana de Curitiba.

A Secretaria da Saúde também está trabalhando para integrar o Samu, Siate e a central estadual de regulação de leitos. “A partir de uma única regulação será mais fácil direcionar as equipes médicas para o resgate e encaminhar para o hospital qualificado para receber o paciente”, explica Filipak.