A Associação de Proteção à Maternidade e Infância (APMI) Saza Lattes, entidade curitibana de 50 anos, está novamente passando por dificuldades em seu atendimento na área da saúde. A instituição presta serviço em oito unidades, mediante convênio com a Secretaria Municipal da Saúde. A parceria, porém, expirou em dezembro do ano passado e até agora não há uma posição sobre a renovação do convênio. A situação já está trazendo prejuízos para a entidade, que necessita do dinheiro da Prefeitura para continuar atendendo e pagar salários atrasados dos funcionários.

A presidente da APMI Saza Lattes, Rosa Guiomar Drabeski, explica que o convênio com a secretaria terminou em 24 de dezembro de 2004. Existe dificuldade de renovação porque há um saldo negativo de prestação de contas que, de acordo com ela, não foi formado na gestão atual. O grupo liderado por Rosa assumiu a instituição em março de 2004, depois que o Ministério Público nomeou uma comissão interventora. "A antiga gestão chegou a levar para o MP que a entidade era inviável. Um grupo de amigos foi até o órgão e assumiu o compromisso de manter a instituição aberta", conta. Rosa diz que a nova administração conseguiu diminuir o saldo negativo, mas não quitar a dívida.

A última parcela do convênio não foi paga pela Secretaria Municipal de Saúde em virtude dos problemas na prestação de contas. Esse fato e a demora na renovação fez com que a instituição atrasasse os salários dos 180 funcionários por quase três meses. "Desde novembro, estamos sem receber e continuamos com as portas abertas. Mas esta semana tivemos que tomar uma atitude. Desde a última segunda-feira, estamos cobrando R$ 10 pela consulta nas unidades. Antes não cobrávamos nada", comenta.

A presidente da entidade fixou o dia 10 de março como meta para chegar a um acordo. Ela declara que uma emenda parlamentar de R$ 100 mil, proposta por Luciano Ducci, na época deputado estadual e hoje vice-prefeito, foi aprovada anteontem no Conselho Municipal de Saúde. Agora, a liberação do pedido depende do governador. "Esse dinheiro vai amenizar a situação", disse.

No ano passado, as oito unidades de saúde administradas pela instituição atenderam 71 mil pessoas, totalizando mais de 191 mil procedimentos e consultas.

Possibilidade

A assessoria da Secretaria de Saúde informa que o convênio poderá ser renovado somente se o saldo negativo da prestação de contas for quitado.

Serviço – A entidade está aceitando qualquer tipo de doação. Maiores informações no telefone (41) 312-2800.